Torá em Português

Parashat Chaiei Sara

Um Plus de Generosidade

Tradução de español: David Abreu

A Parashat Chaiei Sara narra o encontro entre Eliézer - servo de Abraão - e nossa matriarca Rivka.

Abraham Avinu temia que seu filho Yitzchak (Isaque) tomasse uma mulher Canaanita como esposa e decidiu enviar seu servo a Aram Naaraim a fim de encontrar uma candidata adequada para nosso segundo patriarca.

Eliézer estabeleceu critérios claros para sua procura.

“Eis que estarei de pé junto a nascente da água, e as filhas dos homens da cidade sairão para tirar água. E será a moça a quem direi: “Inclina, por favor, seu cântaro e eu beberei", e ela dirá: "Beba e também darei de beber aos seus camelos", a ela destinaste para seu servo, para Yitzchak; e por ela saberei que você teve misericórdia de meu senhor " (Bereshit 24 , 13-14).

Eliezer não está procurando uma mulher bonita ou uma candidata de linhagem. Ele também não quer uma mulher que se destaque por sua inteligência. Eliezer está procurando uma mulher sensível e piedosa. Mas isso também era suficiente; Procurava uma mulher que mostrasse um plus de generosidade. Ele sabia que por meio de seus camelos descobriria a virtude daquela moça.

Em outubro de 2012, cheguei à Nova York na véspera do furacão Sandy. Para mim se tratava de uma viagem de trabalho e passeio. No final, não consegui fazer nem uma coisa nem outra. Passei uma longa semana na casa da minha irmã, em um bairro do Queens habitado principalmente por israelenses.

Os israelenses do local geralmente podem ser reconhecidos pela maneira como dirigem ou estacionam seus veículos em fila dupla. Porém, nesta viagem pude apreciar alguns traços distintivos da população israelense que estão ligados à figura de nossa matriarca Rivka.

Os danos causados por Sandy - como esperado – foram significativos. Houveram dezenas de mortos, feridos e uma grande área da cidade de Nova York foi inundada pelas águas. Essas fizeram colapsar o transporte subterrâneo e fecharam as pontes de acesso a Manhattan.

Centenas de milhares de americanos foram desalojados de suas casas e foram alojados em residências privadas ou abrigos públicos. Eu pude ver naqueles dias o valor inestimável da mitzvá de Hachnasat Orchim (hospitalidade com os convidados).

Milhares de pessoas passaram semanas morando nas casas dos poucos afortunados que não foram afetados pela tempestade. Lá eles poderiam receber uma refeição quente, um banho reparador e uma conexão com a Internet (muitas vezes parece que ficar sem Facebook era mais sério do que ficar sem água).

Uma das consequências secundárias daquele terrível furacão foi a falta de combustível.

Os postos de gasolina na área de Nova York pareciam os de um país do terceiro mundo às vésperas de um aumento repentino; meio dia de espera para abastecer os carros com gasolina.

As pessoas começaram a racionar o uso do carro por mais de uma semana. Muitos ficaram sem combustível - até mesmo - para chegar ao posto de gasolina do bairro. Milhões de pessoas tiveram que viajar para o trabalho ou para o médico ou para o mercado e não tinham como fazê-lo. As distâncias em Nova York são longas e o americano médio não está muito acostumado a dirigir sem carro.

Entre as manifestações de solidariedade, uma vizinha da minha irmã se destacou.

A mulher - de nacionalidade israelense - viajava todos os dias para Connecticut e trazia latas de combustível de lá para os vizinhos do quarteirão. Foi uma atitude tão original, pontual e imediata que mereceu o rápido reconhecimento dos seus vizinhos. Foi claramente um gesto que excedeu em muito as expectativas. Em Connecticut, os postos de gasolina funcionavam com relativa regularidade e a generosidade dessa mulher trouxe grande alívio para seus vizinhos.

É verdade que ele não deu de beber aos camelos como nossa matriarca Rivka. No entanto, cuidar de um veículo "sedento" em tais circunstâncias não é algo que se possa dar menos importância. Essa também pode ser uma grande miztvah! A mulher soube dar um plus de solidariedade e generosidade, exatamente o que o servo de Abraão procurava naquela candidata.

Se Eliezer tivesse caminhado pelo Queens nos dias do furacão Sandy, ele certamente teria notado. Essa mulher era uma candidata mais do que adequada para se companheira de Yitzhak. Nem todas as mulheres têm o mesmo DNA da nossa matriarca Rivká.