Torá em Português

Parashat Vaera

Um Olhar Distinto

Tradução de español: David Abreu

"Eu sou o Eterno; e vou tirá-los do trabalho forçado do Egito, e vou salvá-los de seu serviço, e vou resgatá-los com o braço estendido e com juízos e grandes castigos.Eu os tomarei como meu povo, e serei para eles D'us" (Shemot 6: 6-7).

No início da Parashat VaEra, Deus apresenta sua promessa aos filhos de Israel na escravidão. O Talmud relaciona essas quatro promessas (Arvaá Leshonot shel Geulá) às quatro taças que bebemos na noite do Seder de Páscoa (TJ Pesachim 10,1).

Algo extremamente interessante acontece com este preceito particular. Um conhecido princípio haláchico afirma que as mulheres estão isentas daqueles preceitos que só podem ser cumpridos dentro de um determinado prazo (mitzvot asé shehazman graman). No entanto, isso não se aplica às quatro taças que comemoram a saída do Egito. A razão para esta exceção - afirma o Talmud - é que as mulheres fizeram parte desse milagre (Pesachim 108a).

As mulheres foram um fator chave na redenção dos filhos de Israel da escravidão. Nossos sábios já afirmam que "em virtude de mulheres virtuosas nossos ancestrais do Egito foram redimidos" (Ialkut Shimoni, Salmo 68). E a liderança feminina daquela geração estava nas mãos de Miriam, a irmã mais velha de Moshe.

O Midrash nos conta que Miriam, desde muito jovem, soube trazer um olhar diferente ao desconforto dos filhos de Israel. Seu pai, Amram, foi um homem importante em sua geração e quando soube que os filhos do sexo masculino deveriam ser jogados no rio Nilo (Shemot 1:22), ele perdeu o desejo de trazer uma nova vida ao mundo e decidiu dar o divórcio à sua esposa . O Talmud nos diz que todos os homens de sua geração seguiram seu exemplo e se divorciaram de suas esposas.

Miriam disse a seu pai: "Seu decreto é mais severo do que o de Faraó, visto que Faraó só decretou sobre filhos do sexo masculino e você decretou sobre homens e mulheres; Faraó não decretou a não ser a respeito deste mundo, e vocês decretaram a respeito deste mundo e do mundo vindouro; Faraó é um vilão, e talvez seu decreto seja cumprido, talvez não seja cumprido; você - que é justo - certamente cumprirá seu decreto. Então Amrám se levantou e trouxe sua esposa de volta. Todos os homens de sua geração fizeram o mesmo (Sotah 12a).

O que este Midrash nos ensina?

É possivelmente mais um exemplo da atitude de Israel em tempos de crise e desespero. Aqueles que analisam levianamente o fenômeno do terrorismo palestino afirmam - quase axiomaticamente - que um povo atolado em desespero cairá na "tentação" de recorrer ao terror. Os sábios de Israel fornecem aqui um novo exemplo - mais um entre centenas - de que essa afirmação é falsa. Miriam não transformou o mal-estar em terror, mas o transformou em vida.

Moshe era filho de Amram e Yocheved. Mas ninguém erraria em dizer que ele viu a luz do mundo graças à sua irmã. Como um prólogo ao nascimento de Moshe, a Torá nos diz que "ele era um homem da casa de Levi, e ele tomou (como esposa) uma filha de Levi" (Shemot 2, 1) "Para onde ele foi? " Rabi Yehudah filho de Zvina diz: "Foi após o conselho de sua filha" (Sota, ibid). Desde muito cedo, Miriam soube fazer o pai entender que a escolha dele estava errada e só aumentaria o mal-estar.

O povo judeu caiu mil vezes e outras mil ressuscitaram. Muitas vezes o fizemos a partir das ruínas, onde outros teriam caído no abismo mais profundo. Sabíamos analisar os fatos, fazer um exame de consciência, corrigir erros e transformar crises em oportunidades. Talvez seja por isso que ninguém ainda conseguiu vencer nosso espírito. Já se passaram quase dois mil anos desde que o Templo em Jerusalém foi destruído, e mesmo hoje - dois mil anos depois - ainda nos perguntamos onde erramos.

Ainda esperamos que nossos vizinhos - em suas próprias crises - comecem a fazer perguntas semelhantes.