Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Bemidvar

Um Cargo Honorável

Tradução de español: David Abreu

A Parashat Bemidbar, que lemos esta semana, descreve em seus últimos versos o transporte do tabernáculo e seus utensílios.

Entre outros detalhes, somos informados sobre o papel particular de Eleazar, filho de Aaron HaCohen, no momento desta tarefa.

Eleazar era o chefe mais alto da tribo de Levi. No entanto, notamos que sua participação no carregamento do mishkan estava longe de ser simbólica.

Segundo a Parashá, Eleazar teve que carregar o incenso de especiarias (seu peso era de 365 mané, que hoje será de aproximadamente 180 kg), com o óleo para o acendimento anual do candelabro (eram 183 log, aproximadamente 60 litros) e , como se isso não bastasse, ele também carregou a oferta perpétua.

Nunca entenderemos como um mero mortal pode carregar tamanho fardo.

RaSHI em seu comentário ao Talmud (Shabat 92a) diz que Eleazar carregava o óleo com a mão esquerda, o incenso em seu colo e a oferta perpétua em seu ombro.

De qualquer forma, parece um fardo muito pesado ... E incomum quando o RaMbaN diz que Eleazar era "forte e corajoso como Yaakov Avinu" (comentário a BeMidvar 4, 16), argumento que o papel particular de Eleazar requer uma análise mais exaustiva. .

Para desenvolver este ponto, gostaria de fazer duas perguntas e propor uma resposta para ambas.

A primeira pergunta que quero fazer é por que Eleazar não delegou sua tarefa a outras pessoas? Finalmente, isso é geralmente o que os reis, generais e todos os dignitários que estão localizados nas mais altas esferas de poder fazem.

A segunda pergunta tem a ver com os sentimentos de Eleazar ao realizar esta tarefa. Ele não sentiu alguma humilhação ao sentir o suor na testa?

Vou responder a essas perguntas com uma história pessoal.

Em meus primeiros anos como rabinato, servi em uma congregação que exigia de mim um alto nível de participação nas tarefas domésticas. Rapidamente me peguei arrumando cadeiras, varrendo o chão, picando vegetais e servindo refrescos.

Foi então que decidi visitar meu professor, Dany Fainstein, a quem transmiti meu pesar. Dany estava ocupado e me atendeu em seu escritório por alguns minutos. Ele apenas me disse que, na década de 1960, quando o Rabino Marshall Meyer Z "L fundou a Comunidade Bet El, todas as sextas-feiras -antes do Kabbalat Shabat- ele ia ao banheiro e verificava se não faltava papel higiênico para os fiéis.

Eu também, quando vejo os fiéis e líderes da minha congregação atual, montando cadeiras, servindo a mesa e varrendo o chão, penso: Seria muito mais fácil se tivéssemos um funcionário fazendo a tarefa por todos nós!

Certamente seria mais fácil ... mas não seria a mesma coisa.

Porque o que fazemos em nossas kehilot não é serviço, mas "serviço sagrado" (Avodat HaKodesh).

O midrash nos diz que Ieoshúa bin Nun foi nomeado líder do povo de Israel após sua entrada na Terra Prometida, não apenas por causa de suas qualidades inatas de liderança. ChaZaL nos conta que Ieoshúa merecia o cargo por ter ajudado Moshé Rabenu montando bancos e estendendo as esteiras no chão de sua tenda (BeMidvar Rabá 21, 14).

....

De onde veio a força de Eleazar, então? Por acaso ele tinha alguma ajuda celestial?
Parece-me que a resposta é mais simples. O que para alguns é um fardo pesado, para outros é um cargo honorável. E quando se entende que certas tarefas têm um caráter sagrado, as limitações físicas tornam-se mera anedota.