Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Bechukotai

Sonhos de Paz

Tradução de español: David Abreu

A Guemara nos diz que "um sonho que não é interpretado é semelhante a uma carta que não é lida" (Berachot 55a).

Muito antes de Freud chegar e mergulhar em sua teoria da interpretação dos sonhos, o Talmud entende que todo sonho tem um propósito, ou - pelo menos - um significado.

Os sonhos são mais do que apenas entreter nossas mentes à noite ou durante os abençoados cochilos vespertinos do Shabat. Um sonho não vem só porque um sonho tem uma história por trás dele.

O acontecimento que nos incomodou durante o dia, comoveu-nos, assustou-nos à noite vai reaparecer disfarçado, camuflado e vai nos encher de novas questões. E é isso que deve ser interpretado ...

O Talmud nos diz que o pobre Rei Davi nunca teve um sonho bom em sua vida (Berachot 55b). É tão agradável ter um sonho bom, que ter um sonho ruim é quase uma maldição.

Mas se dissermos que todo sonho tem uma história por trás dele, entenderemos por que o Talmud infere que Davi nunca sonhou algo bonito. Todos os seus anos de reinado ele esteve em guerra, rodeado de morte, estratégias militares, sangue ... Como ele poderia ter um sonho bom ?!

Se até mesmo D'us anunciou que ele não será capaz de construir o Templo em Jerusalém, mas que seu filho o construirá ...

Você não pode ter um sonho bom em tais circunstâncias ...

Lemos esta semana a Parashat Bechukotai, uma dura porção que contém uma severa admoestação de Deus caso Suas leis não sejam respeitadas.

Esta parte é tão severa que quando é lida na Torá, geralmente é lida em voz baixa, por causa do medo que provoca.

No entanto, antes desta seção de repreensão, a Torá apresenta a bênção que D'us derramará sobre Seu povo se eles ouvirem e respeitarem Suas palavras.

E lá nos é dito: VeNatatí Shalom BaAretz Ushchavtem VeEin Macharid (E eu darei paz na terra e eles se recostarão e ninguém estremecerá (26: 6)

Superficialmente, esse versículo é redundante, pois, se D'us quiser nos dar paz, certamente ninguém vai estremecer.

Mas como sempre é o caso com a Torá, este versículo é apenas aparentemente redundante.

Existem dois tipos de paz. Uma delas é a paz de armas, quando um povo permanece armado, preparado e pronto para rejeitar qualquer inimigo que se aproxime.

A segunda paz é quando não há inimigo.

A paz de armas não dá descanso a Israel há setenta anos, e a outra paz ainda é uma quimera mas está aí, na Parashá desta semana, e nos ajuda a manter a esperança de que um dia chegará a paz que permite fechar o seu olhos à noite e ter bons sonhos.