Torá em Português

Parashat Ekev

Severidade e Compaixão

Tradução de español: David Abreu

Na estrutura dos discursos de despedida de Moisés, a Torá menciona novamente o pecado do bezerro de ouro. O contraste entre as palavras duras de Moisés - no início da história - e a defesa fervorosa que ele faz de seu povo é impressionante.

Moisés abre seu discurso dizendo:

“Não digas em teu coração, ao rejeitar o Eterno teu D'us diante de ti, dizendo: Por minha virtuosidade o Eterno me trouxe para herdar esta terra e por causa da perversidade dessas nações o Eterno os expulsa de diante de ti. Não por causa da sua virtuosidade, nem por causa da justiça de seu coração (é que) você veio herdar sua terra, mas por causa da maldade dessas nações, o Eterno, seu D'us, os expulsa de diante de você, e para cumprir a palavra de que o Eterno jurou a seus pais, a Abraão, a Isaac e a Jacó "(Devarim 9, 4-5).

Moisés diz às pessoas que elas são duplamente "sortudas". Os filhos de Israel entrarão na Terra pelo mérito dos patriarcas e pelo demérito das nações que habitavam Canaã.

Méritos do povo de Israel?
De acordo com Moisés, nenhum ...

No entanto, se lermos mais tarde, podemos verificar essas palavras com a atitude de Moisés após o pecado do bezerro de ouro. Quarenta dias e quarenta noites Moisés orou diante de D'us a fim de obter o perdão divino (Devarim 9, 25-29).

Como é possível que a mesma pessoa censure o povo dessa forma e então implore pela graça de D'us?

Vou responder a isso com uma anedota pessoal.

Nunca fui uma criança travessa ou briguenta. Bom aluno, bom companheiro. Orgulho de toda mãe judia, você poderia dizer. No entanto, no meu último ano do ensino médio, tive um grave incidente com um de meus professores.

O verão insuportavelmente úmido em Buenos Aires convidou alguns dos meus amigos de classe a preparar uma substância viscosa - água, tinta e outros ingredientes - que algum aluno da minha turma considerou refrescante.

Eu me afastei. Porém acabei sujo como toda a escola.

Com meu orgulho ferido, comecei a perseguir o "perpetrador". Um deles refugiou-se atrás da professora de Literatura Hebraica que acabara de entrar na aula com uma blusa de seda cor salmão.

O final da história você bem pode imaginar. O diretor da escola - que tinha o melhor dos conceitos sobre mim - queria me expulsar imediatamente do estabelecimento.

Voltei para casa com a testa franzida.

Contei a meus pais sobre a situação e não recebi nada muito diferente em resposta ao que o povo de Israel ouviu de Moisés. As palavras doem no fundo da minha alma.

No entanto, ainda me lembro da visita de meu pai à escola no dia seguinte. No final das contas, algum adulto responsável teve que "se levantar" por mim para me "salvar" da sentença.

Lá, na sala da diretora, meu pai se tornou "outro". Eu também.

Mais uma vez, tornei-me o "aluno-companheiro-orgulho exemplar de toda mãe judia" a que me referi. Meu pai se tornou - por graça - meu melhor advogado de defesa.

Como é possível então que Moisés seja aquele que condena o povo com suas palavras e - ao mesmo tempo - intercede pelo perdão divino?

A atitude de Moisés revela que ser severo e compassivo não é necessariamente contraditório. Um bom pai e professor deve saber como exercer ambas as qualidades.