Torá em Português

Parashat Masei

Serviço Autêntico

Tradução de español: David Abreu

Há uma passagem na Torá que me comove especialmente e que abre a Parashat Masei. Não é a passagem mais reconhecida da Torá, longe disso. Talvez seja por isso que me comove tanto.

No início de Parashat Masei, há uma longa lista dos quarenta e dois lugares onde o povo de Israel acampou em sua jornada pelo deserto. A Torá diz que D'us ordenou a Moshe que escrevesse esta lista e Moshe o fez.

“O que há de tão comovente nisso?” Alguém pode me perguntar.

E aqui está minha resposta: Ninguém se lembra de Moshe hoje por ter escrito as marchas dos filhos de Israel no deserto, enquanto todos sabem que foi ele quem passou os mandamentos de D'us na carta escrita.

Escrever a Torá foi um ato que passaria imediatamente para a imortalidade. É fácil aceitar essa tarefa ... por mais árdua e extensa que seja. (Imagine que D'us apareça para você em um arbusto e diga: 'Eu quero dizer algo ao mundo e gostaria de ditar a você'). Quem poderia dizer não? No entanto, não temos certeza sobre a utilidade de escrever esta lista de nomes.

Muitos são os homens que fogem daquelas tarefas que não fazem barulho, não lhes conferem prestígio e não acariciam o seu ego. Moshe, no entanto, obedeceu e acatou a ordem divina em ambos. Ele escreveu a Torá. Mas ele também escreveu esta lista de estações aparentemente "intrascendente" (que carece de importância).

Algo semelhante, o midrash nos diz, aconteceu com Josué. Os hachamim (sábios) se perguntam por que ele foi digno de suceder Moshe Rabbenu.

E eles nos dizem que a razão de sua escolha foi porque seus anéis não caíram ao montar os bancos e estender os tapetes no Beit HaMidrash (BeMidbar Rabbah 21, 14).


Não somos informados de que ele foi escolhido porque defendeu a honra da Terra Prometida enquanto os meraglim (espias) caluniaram contra ela. Nem mesmo sabemos que ele foi escolhido como sucessor de Moshe porque era um Talmid Hajam (um estudante sábio).

Ele foi escolhido por entender que o atendimento serviço é feito sem ruídos, a partir do silêncio e do anonimato.

Certamente Yeoshúa (Josué) teria sido um grande personagem se ele fosse escolhido entre os espiões que alcançariam a Terra Prometida. Mas essa não era sua verdadeira grandeza de acordo com o midrash. Sua grandeza estava em arrumar os bancos e tapetes para que outros se sentissem à vontade para estudar.

Esse é um serviço real.