Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Shelach Lechá

Sem atalhos

Tradução de español: David Abreu

Os filhos de Israel estão às portas da Terra de Israel.

A própria Torá nos dá a orientação de quão curto era o caminho restante. Em apenas quarenta dias, os espiões (meraglim) enviados para vasculhar a Terra, foram, "espiaram", colheram os frutos da Terra e voltaram ao acampamento.

Em termos de mundo antigo, sem os meios de comunicação que temos hoje, quarenta dias não parece muito tempo.

De qualquer forma, sabemos o que aconteceu com aquela estrada curta.

Esses quarenta dias se transformaram em quarenta anos e aquela caminhada dos meraglim acabou se tornando um verdadeiro pesadelo para a geração do deserto. E enquanto Caleb e Ieoshúa diziam: "Sobe, nós subiremos e herdaremos; que poder, podemos com ele" (BeMidvar 13, 30), os dez espias restantes disseram em uníssono: "A terra que passamos através de explorá-la, é a terra que devora seus habitantes ”(BeMidvar 13, 32).

O que a história dos espias nos ensina?

Deixe-me compartilhar com vocês uma história do famoso escritor israelense Shmuel Iosef Agnon chamada "A Cabra", publicada pela primeira vez em 1925.

A história é sobre um velho que sofria de uma doença cardíaca e que recebia receita para beber leite de cabra.

O velho - que morava na Polônia - seguiu o conselho do médico e foi comprar uma cabra na feira. A cabra, de vez em quando, desaparecia e, quando voltava - diz Agnón - estava com as tetas cheias de leite mais doce que mel.

O velho queria saber onde a cabra desapareceu. Seu filho resolveu amarrar uma corda na cauda do animal, agarrou a corda com as mãos e seguiu seus passos.

A cabra entrou em uma caverna, e o filho daquele velho caminhava atrás dele. E assim eles continuaram sua marcha - talvez um ou dois dias - e emergiram da outra extremidade da caverna em um lugar de montanhas e colinas. O jovem perguntou aos moradores sobre o lugar e foi informado que ficava nas proximidades da cidade de Tzfat.

O jovem descansou um pouco e queria voltar para casa para trazer seu pai para a Terra de Israel. No entanto, ele entendeu que não poderia voltar para casa já que o Shabat estava prestes a começar.

O homem escreveu uma nota a seu pai que dizia: “Cheguei feliz na Terra de Israel e da cidade sagrada de Tzfat, que me embriaga com sua santidade, escrevo para você. Não pergunte como cheguei aqui. Amarre a corda no rabo da cabra e vá atrás dela. Assim você chegará em segurança na Terra de Israel ”.

Ele colocou o bilhete atrás da orelha do animal. "Quando a cabra chegar à casa do meu pai, ele pensou, ele vai acariciar a testa dela. A cabra vai balançar a cabeça e o bilhete vai cair no chão. Meu pai vai ler o bilhete e ele virá atrás de mim."

A cabra voltou a entrar na caverna e vhegou ao velho. Porém, o bilhete não caiu na terra ...

O velho, vendo que o animal havia voltado sem seu filho, presumiu que ele tivesse sido comido por algum animal selvagem. Como a cabra o lembrava da tragédia, ele decidiu chamar o açougueiro para abater o animal. Só aí ele encontrou o bilhete enrolado atrás da orelha do bode. Mas era tarde demais ...

Ninguém jamais poderia encontrar a entrada para a dita caverna. Desde aquele dia - conta Agnón - o curto caminho para a Terra de Israel permanece oculto aos nossos olhos.

Desde os tempos bíblicos, muitos judeus buscaram "atalhos" para a Terra de Israel.

Muitos desses judeus nasceram em países da diáspora. Outros, porém, nasceram na própria Terra de Israel.

Procurar "atalhos" para a Terra de Israel significa pensar sobre a maneira como dez dos doze meraglim pensavam. Esses judeus não pensam com o que podem contribuir para Israel, mas - ao contrário - com o que Israel pode contribuir para eles.

Segundo Agnón, o curto caminho para a Terra de Israel desapareceu naquele dia quando o velho decidiu sacrificar aquela cabra. De acordo com a Torá, o curto caminho para a Terra de Israel desapareceu quando os Meraglim retornaram ao acampamento de Israel e fizeram aquela geração chorar em vão.

A mensagem é idêntica.

ChaZaL ensinou que a Terra de Israel só pode ser adquirida por meio de aflições (Brachot 5a).

Vou colocar de outra forma, inspirado no relato de Agnon e na história dos Meraglim: Não há "atalhos" para chegar à Terra de Israel.