Torá em Português

Parashat Noah

Salvação ou Provação?

Tradução de español: David Abreu

Nossos sábios hachamim nos dizem que Noé não construiu a arca da noite para o dia, mas levou vários anos para construí-la. Assim, aquela geração o veria trabalhar, perguntaria sobre os motivos de tal empreendimento náutico e teria tempo para fazer teshuvá (arrependimento).

Noé poderia ter anunciado com um megafone que o mundo seria destruído. No entanto, ele não o fez. Durante todos aqueles anos, Noé dormiu tranquilamente. Permaneceu construindo a arca, fechou-se sobre si mesmo sem se importar com o destino daquela geração.

Quando você olha como Noé foi salvo do dilúvio, você não pode deixar de se perguntar se isso foi realmente uma salvação ou um teste.

Conhecemos bem quando D'us está com raiva. Sedom e Amor (Sodoma e Gomorra) foram destruídas por uma chuva de fogo e enxofre em questão de horas, não em questão de meses.

Por que ele não usou um método mais 'confortável' para salvar Noé? Por que D'us o força a 12 meses de confinamento entre girafas, javalis e zebras, quase sem luz e sem ar? Mais do que salvação, parecia uma verdadeira prisão.

Acontece que D'us, além de salvar Noé, o estava testando. Ele não o recompensou com alguns meses de viagem ao redor do mundo, mas sim o condenou a refletir sobre aquele ego que não o permitiu avisar aos seus semelhantes sobre a destruição que viria sobre o mundo.

Noé e seus filhos, de acordo com o Midrash, passaram doze meses sem dormir. Cada animal tinha seu próprio horário para comer. Alguns pela manhã, alguns à tarde, alguns à noite. D'us o condenou desta forma para exercer misericórdia e piedade.

Paradoxalmente, quem dormiu pacificamente durante anos quando o destino da humanidade estava em jogo, não conseguiu dormir por um ano quando o destino dos animais estava em jogo.

Depois de um ano, Noé havia aprendido sua lição.