Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Behar

Residentes e Forasteiros

Tradução de español: David Abreu

A Parashat BeHar que lemos esta semana contém uma menção detalhada das leis relativas à Shemitá e ao Jubileu (Iovel).

Hoje eu gostaria de me referir a um dos versículos que serve de base para ambos os preceitos. A Torá diz em nossa Parashá: “E a terra não será vendida para sempre, porque a terra é Minha, porque vocês são forasteiros e residentes para Mim” (VaIkrá 25, 23).

Este versículo é difícil de entender. Como devemos entender a expressão "forasteiros e residentes"? Se alguém é estranho ... como pode ser definido como residente? Se alguém é residente ... então não é um estranho!

Muitos foram os comentadores que se referiram a esta expressão marcante ao longo das gerações.

Rabi Yaakov Krantz, o famoso Magid de Duvno, nos oferece uma reflexão muito profunda sobre o assunto. Em seu entendimento, D'us está dizendo aqui aos filhos de Israel:

“Se vocês se sentem estranhos neste mundo, e assumem que sua permanência neste mundo é apenas temporária ... Então Eu residirei entre vocês e vocês poderão desfrutar da presença da Minha divindade.

Mas, se vocês se comportam neste mundo como residentes, suponham com orgulho que sua permanência neste mundo será eterna, e não temam a chegada do dia do Juízo, então ... Eu serei o estranho entre vocês!

Entre nós, diz D'us, um sempre será um residente e o outro será um estranho ”.

O Maggid de Duvno se refere aqui a duas maneiras diferentes de ver o mundo. Os homens podem presumir que este mundo é um lar temporário ou permanente. Na verdade, os mortais vivem com ambas as sensações diariamente. Se a situação for analisada racionalmente, o homem rapidamente chegará à conclusão de que sua vida é passageira e que este mundo é apenas uma morada passageira. A razão nos dirá que nada podemos tirar deste mundo, exceto nossas boas obras.

Porém, o homem nem sempre age de acordo e passa a vida em busca de honras, dinheiro e outras aquisições que ele supõe eternas, mas que são, em suma, fugazes como sua própria vida.

O Midrash traz em Kohelet Rabba uma interessante parábola sobre isso.

Está escrito: 'Como saiu do ventre da mãe, também voltará nu como veio' (Kohelet 5:14).

Teve uma raposa que encontrou um vinhedo que estava totalmente fechado. Ela viu uma pequena abertura e quis entrar, mas não conseguiu. Que fez? Ela jejuou por três dias até perder peso e então poder entrar. Ela comeu e ganhou um peso considerável. Ela queria sair. Não podia! Que fez? Ela jejuou novamente por vários dias até ficar tão magra quanto antes. Quando ela saiu, ela se virou, olhou para a vinha e disse: "Vinha, vinha! Como você é bom e como seus frutos são lindos! Tudo em você é precioso, mas que benefício eu tive de você? Entra-se, sai ... É assim que o mundo se parece ... (Kohelet Rabba 5).

Uma leitura rápida do midrash pode nos levar à conclusão errônea de que seu autor foi atacado por pessimismo e desesperança. No entanto, uma segunda leitura nos levará à conclusão inevitável de que o midrash está correto.

Quando a Torá diz "A terra é Minha, porque vocês são estranhos e residentes para Mim", na verdade significa para nós: "Não se comportem neste mundo como donos da casa. Não há homem que possa tirar qualquer bem deste mundo."

Diz-se que após a Guerra dos Seis Dias, na qual Israel conquistou Jerusalém Oriental das mãos da Jordânia, um magnata judeu do setor imobiliário adquiriu a terra de uma antiga base militar jordaniana, a partir da qual a população israelense costumava ser atacada nos anos anteriores à guerra .

O homem não tinha certeza do que faria com essa propriedade. Por isso, decidiu ceder o referido terreno por um período a uma instituição educacional israelense.

A cerimônia de inauguração da nova sede acadêmica foi extremamente emocionante. Todos ficaram maravilhados com o fato de o mesmo lugar que antes era um bastião do terror ter sido transformado em uma instituição educacional hebraica.

Um general do exército israelense foi o orador convidado.

Após mencionar as virtudes do filantropo e da instituição, encerrou seu discurso com a seguinte afirmação: “Imagine”, exclamou. "Apenas algumas semanas atrás, esta terra era jordaniana. Mas agora", acrescentou triunfantemente, "esta terra é nossa!" De repente, uma voz interrompeu o locutor. Não era outro senão o próprio filantropo. "Ben-Uzi!" disse. "Esta terra não é nossa ... Esta terra é minha!"

Suponho que seja essa a mensagem divina ao dizer "estrangeiros e residentes, vocês são para mim". Eles vieram para herdar a terra? Saiba que você é apenas um estranho. A terra é minha!