Torá em Português

Parashat Miketz

Renascendo das Cinzas

Tradução de español: David Abreu

A festa de Chanucá tem uma particularidade que a distingue das demais festividades em Israel: nenhum outro feriado do calendário hebraico é celebrado em dois meses diferentes. Os primeiros dias de Chanucá são celebrados no mês de Kislev, enquanto os últimos dias coincidem com os primeiros dias do mês de Tevet.

O que isso pode nos ensinar?

No imaginário judaico, Rosh Chodesh - o início do mês - representa a ideia de renovação. Na verdade, é isso que acontece com a lua. Perto do final do mês, ela diminui até desaparecer completamente, e então renasce e cresce progressivamente até recuperar sua forma.

Chanucá é um feriado que contém uma mensagem semelhante.

Em aramaico existe uma expressão que diz "MiBira Amikta LeIgra Rama" (do fundo do poço ao topo do telhado). Nos dias do milagre de Chanucá, uma sombra negra pairou sobre o povo judeu. Estávamos prestes a desaparecer como um povo, esquecer nossa Torá e perder nossa identidade nos assimilando com outra nação. No entanto, com a ajuda de D'us e com a coragem de Hasmonaim (Macabeus) um lampejo de esperança foi aceso e finalmente conseguimos recuperar a soberania nacional e reinaugurar o Templo de Jerusalém profanado pelas hostes de Antíoco Epifânio.

O Talmud traz no tratado de Shabat as leis de acender as velas de Chanucá. Este preceito, estabelecido por nossos Rabinos, é regulado por uma ampla gama de leis. O Talmud nos diz quantas velas devem ser acesas, a que horas o ritual deve ser praticado, onde a vela é colocada, etc.

Entre essas leis, somos ensinados - em nome do Rabino Tanchum - que a vela de Chanucá não pode ser colocada acima de vinte côvados de altura (aproximadamente dez metros). Imediatamente depois - em nome do próprio Rabino Tanchum - o Talmud traz um midrash sobre Iosef, cuja história começou na Parashat VaIeshev e continua na Parasha desta semana.

Pergunta o Rabino Tanchum: Por que, em relação ao poço em que Iosef foi lançado, nos é dito: "E o poço estava vazio, não tinha água" (Bereshit 37, 24). Se estivesse vazio ... obviamente não tinha água! Rabino Tanchum explica que é preciso esclarecer, já que o poço não tinha água, mas tinha cobras e escorpiões.

Como a vela de Chanucá se relaciona com o poço de Iosef? Por que razão o Talmud traz dois comentários tão diferentes em nome do Rabino Tanchum?

Poderíamos justificar esse detalhe argumentando que o texto talmúdico não é linear. Muitas vezes, a Gemara é desenvolvida de forma associativa, e dois ou mais comentários podem estar ligados pelo nome do Rabino que fala, Rabino Tanchum neste caso.

No entanto, prefiro fazer uma leitura diferente. A vida de Iosef se desenrolou de maneira semelhante à história de Chanucá: começou no fundo do poço e terminou no alto do telhado.

De escravo a vice-rei do Egito.
Do túmulo ao palácio do faraó.
Da angústia à esperança.

O fato de o feriado de Chanucá ser dividido em dois meses diferentes sugere uma ideia semelhante. E possivelmente esta mensagem de esperança pode ser transferida para cada uma das áreas de nossa vida, tanto coletiva quanto pessoal: atrás das nuvens mais cinzentas e assustadoras, o sol sempre se esconde em todo o seu esplendor. E mesmo quando a lua desaparece por um momento, ela sempre renasce.