Torá em Português

Parashat Vaigash

Receba do líder

Tradução de español: David Abreu

Algumas semanas atrás, eu estava lendo uma crítica escrita sobre Saparmyrat Nyýazow, presidente da República do Turquemenistão entre 1991 e até sua morte em 2006.

Nyýazow foi um dos líderes mais excêntricos que o século 20. Por enquanto, Nyýazow mudou os nomes dos meses do ano e de dias da semana para seu nome e de seus familiares. Ele decretou que seu aniversário fosse um feriado nacional. Ele ergueu estátuas com sua figura em todos os cantos do país. Os alunos do sistema escolar turcomano juravam fidelidade a ele todas as manhãs.

Isso ocorreu no século XX e - como sabemos - não foi o único caso. O caso do Turquemenistão não está muito distante do que ocorre no regime tirânico da Coréia do Norte, do Irã ou de alguns governos populistas que a América Latina conheceu nas últimas décadas.

À luz desses exemplos modernos, podemos apenas imaginar o quão obsceno o culto aos monarcas deve ter sido no mundo antigo.

Quando Yehuda fica na frente de Iosef e intercede pela libertação de seu irmão Benjamin, ele pensa que está diante de um desses líderes. Iosef era o braço direito daquele que afirmava ser - não apenas um monarca - mas um deus do antigo Egito.

Perto do final de Parashat Miketz, Yosef levou Benjamin cativo como resultado do "roubo" de sua taça de prata.

Yehuda está na frente de Iosef como o verdadeiro guardião de seu irmão (um final perfeito para o livro de Bereshit que começou com Caim perguntando "Sou o guardião de meu irmão?"). De repente, Yehuda se coloca no lugar do "irmão responsável" que vem para cumprir a palavra que deu a seu pai Yaakov (ver Bereshit 43, 9). Ele sabia que sem Benjamin, seu pai morreria de tristeza.

O apelo de Yehuda no início de Parashat Miketz acabou sendo o ponto de virada da saga. Sua atitude corajosa acabou quebrando Iosef, que não conseguia mais esconder sua identidade.

Yehuda, a priori, parece ser apenas uma figura secundária no livro de Bereshit. No entanto, a quantidade de informações biográficas que sabemos sobre sua vida é sugestiva. Entre os filhos de Yaakov, apenas sobre Iosef sabemos mais detalhes.

Lemos sobre o nascimento de Yehuda e a razão de seu nome. Sabemos de sua intervenção no episódio da venda de Iosef. Lemos sobre o casamento dele. Ficamos sabendo do nascimento de seus primeiros três filhos e da morte dos dois mais velhos. Os dias de sua viuvez e sua associação com sua nora Tamar também são descritos pela Torá. Da mesma forma, somos informados do nascimento de seus dois filhos com Tamar (Peretz e Zerach). E, finalmente, nossa Parasha aponta a coragem que ele demonstrou ao interceder junto a Iosef por seu irmão Benjamin.

Rabbi Yehuda nos diz no midrash que, naquela época, Yehuda estava pronto para ir à guerra contra Iosef (Bereshit Rabba 93, 6).

É maravilhoso. Yehuda está diante de um dos homens mais poderosos da terra, aquele que tem a vida e a morte em suas mãos e precisa interceder por seu irmão.