Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Bemidvar

Quem é o seu pai?

Tradução de español: David Abreu

Embora em espanhol "BeMidbar" signifique "No deserto", em português este quarto livro é conhecido pelo nome de "Números". A razão desse nome tem muito a ver com o início de nossa Parashá. D'us pede a Moshe para realizar um censo entre os filhos de Israel e estabelecer o número de homens aptos para a guerra antes da entrada iminente na Terra Prometida.

Ninguém estaria esperando lá com flores ou canções de boas-vindas. Uma guerra cruel os estaria esperando, e era essencial saber quantos homens participariam dessa disputa.

Mas esse censo foi mais do que apenas um registro de apresentação. RaSHI nos diz a este respeito que ‘Heviu Sifrei Ichuseihem VeEidei Chezkat Leidatam’. Além de ser contado, RaSHI nos diz que cada um trouxe sua linhagem e testemunhas de seu nascimento por escrito (RaSHI para BeMidvar 1, 18).

Não era suficiente contar os soldados? Por que foi necessário saber de que tipo de família eles vieram?

O famoso Rabino Shimshom Rafael Hirsch responde a esta pergunta: Na hora de escolher soldados - ele nos diz - a grande maioria das nações do mundo presta atenção na força dos guerreiros para que possam matar muitos inimigos. Em vez disso, a Torá nos ensina que as qualidades exigidas para os guerreiros de Israel eram uma família consistente e uma linhagem imaculada ...

E por que? Porque há o risco de os guerreiros usarem arbitrariamente suas espadas no campo de batalha e derramar sangue inocente desnecessariamente.

É por isso que a Torá exige que os guerreiros de Israel venham de famílias proeminentes para evitar o derramamento de sangue inocente a fim de alcançar a vitória sobre o inimigo.

Por isso, quando um soldado em Israel comete um ultraje na guerra, ele é julgado com rigor. Porque a Torá exige humanidade de seus soldados ... e nos faz entender que mesmo quando a guerra é frequentemente a consequência inevitável de uma situação insustentável, aqueles que a praticam devem ser homens e não animais.

Nestes tempos, os olhos do mundo estão mais uma vez em Israel e em seus soldados. Poucas vezes o mundo imaginou o povo de Israel empunhando armas, esse não é o estereótipo aceito. Em seus arquétipos infames, o judeu sempre foi frágil, pálido, encurvado e subjugado.

Talvez por isso não entendam como em tempo de guerra, e em vez de pedir ao soldado por sua crueldade e sangue frio, apenas lhe perguntamos curiosos e intrigados pela reputação de seu pai.