Torá em Português

Parashat Vayicrá

Que o Fogo não se Apague

Tradução de español: David Abreu

Não é fácil falar de amor quando abrimos a Parashat Vayicrá.

É verdade que Parashat Vayicrá oferece uma descrição detalhada dos diferentes sacrifícios que eram oferecidos no Tabernáculo e - mais tarde - no Templo de Jerusalém. No entanto, não é disso que quero falar. O amor não é um sacrifício e não deveria ser.

Hoje quero falar sobre o fogo que ardeu no altar do Templo.

No início da Parashá está escrito: "E os filhos de Aharon, o sacerdote, colocarão fogo no altar e colocarão lenha no fogo" (Vayicrá 1, 7).

O fogo no altar, de acordo com ChaZaL, veio do céu no tempo de Moshe e não saiu do altar até os dias do Rei Shlomo quando, milagrosamente, passou para o altar de pedra que foi construído no primeiro Templo. Então ele não deixou o altar até os dias do Rei Menashe (Zevachim 61b).

No entanto, embora o fogo no altar nunca deva ser extinto (ver Vayicrá 6, 2), os sacerdotes colocavam as lenhas no altar e acrescentavam fogo de origem profana diariamente. Daí o versículo no início da Parashá.

A miraculosa descida do fogo celestial sobre o altar, no momento de sua inauguração, é expressamente mencionada na Parashat Shemini: "E saiu um fogo de diante do Eterno e consumiu no altar a oferta de elevação e as gorduras e viu tudo o povo, e eles cantavam e caíam sobre seus rostos ”(Vayicrá 9, 24).

Em outras palavras, o fogo vinha do céu, mas era missão dos sacerdotes manter o fogo aceso no altar. Como diz RaMbaM (Hilchot Temidin Umusafin 2, 1): “É um preceito positivo fazer o fogo arder permanentemente no altar, como se diz:“ Um fogo perpétuo permanecerá aceso no altar ”(Vayicrá 6, 6) E mesmo que o fogo venha do céu, é um preceito adicionar fogo de origem profana, como se diz “E os filhos de Arão, o sacerdote, colocarão fogo no altar e colocarão lenha no fogo (Vayicrá 1 , 7) "..

É aqui que voltamos ao assunto do amor.

Na véspera de meu segundo casamento, nos encontramos com minha então futura esposa e um grupo de amigos que nos deram algumas dicas para manter o casamento vivo.

Alguns nos disseram que é bom levar o café da manhã para a cama nas manhãs de sexta-feira. Outros nos aconselharam a não ir para a cama com raiva depois de uma discussão. As flores antes do Shabat são um clássico. Aprenda também a julgar o parceiro de maneira benevolente quando acharmos que ele estava errado.

Em suma, a conclusão é semelhante ao preceito bíblico do fogo no altar.

O casal geralmente se origina de um incêndio que vem do céu. É a fase do enamoramento, do canto espontâneo, da euforia e da revolução hormonal. Em quando as borboletas são sentidas na barriga e o casal é apreciado como o ser perfeito.

É como os filhos de Israel cruzando as águas do mar: "Este é o meu Deus e eu o louvarei" (Shemot 15,2). Apaixonar-se é como a canção do mar.

O amor é algo diferente. Os hormônios se acalmam e a paixão dá lugar a outros sentimentos mais ternos. E também começamos a ver como o objeto de nosso amor não vare a casa à noite e cozinha muito picante. Como se torna muito gastador ou muito sovina. Como ele dorme torto na cama e deixa a toalha molhada no chão após o banho.

É quando o Desafio de Fogo do Altar começa. Alimente-o para que não apague adicionando lenha todos os dias, assim como os sacerdotes faziam diariamente no sagrado Templo de Jerusalém.