Torá em Português

Parashat Matot

Primeiro, as Pedras Grandes

Tradução de español: David Abreu

Parashat Matot lembra, entre outras passagens, o pedido das tribos Ruben e Gad para herdar a terra ao leste do rio Jordão.

Moshe, inferindo que eles se recusaram a participar da conquista da Terra de Israel, os advertiu severamente, dizendo: "Seus irmãos irão para a guerra, e vocês permanecerão aqui?" (BeMidbar 32, 6).

Ao ouvir a resposta deles, Moshe entendeu rapidamente que não era um caso clássico de deserção militar, mas que suas razões tinham raízes mais profundas e complexas. Essas tribos desejavam essas terras férteis para ter numerosos gados; não era sua intenção fugir do dever.

“E eles se aproximaram dele (a Moshe) e disseram: 'Nós construiremos currais aqui para nosso gado e cidades para nossos filhos; e depressa nos armaremos diante dos filhos de Israel, até que os tragamos ao seu lugar ”(BeMidbar 32: 16-17).

Moshe gostou de sua disposição de se alistar com o resto das tribos de Israel. No entanto, ele decidiu corrigir sua afirmação: "Construí cidades para vós, para os vossos filhos e currais para as vossas ovelhas, e o que saiu da vossa boca, fareis" (BeMidbar 32, 24).

RaSHI traz as palavras do Midrash Tanchuma a esse respeito: "Eles estavam mais preocupados com seus bens materiais do que com seus filhos e filhas, uma vez que (em suas palavras) eles anteciparam seu gado ao invés de seus filhos. Moshe disse-lhes:" Não deveria ser assim; faça a coisa principal primeiro e a secundária depois. Primeiro construa cidades para seus filhos e depois currais para o gado. "

Moshe entende que a falta de motivação não tem nada a ver com indiferença. A análise dessas duas tribos foi distorcida. Sua escala de valores foi invertida. Eles pensaram em seu gado, acima de tudo, colocando seus filhos em um plano inferior.


Li há pouco sobre um consultor de negócios que queria surpreender os participantes de uma de suas conferências.

Ele tirou um grande jarro de boca larga de debaixo da mesa onde estava sentado e colocou-o sobre a mesa ao lado de uma bandeja de pedras e perguntou: "Quantas pedras você acha que cabem no jarro?"

Depois que os participantes fizeram suas suposições, ele começou a cutucar as pedras até encher a jarra. Então ele perguntou: "Está cheio?"

Todos olharam e disseram que sim.

Em seguida, ele tirou um balde de seixos de debaixo da mesa. Ele colocou algumas pedras na jarra e a sacudiu. Os seixos penetraram nos espaços deixados pelas grandes pedras. O especialista sorriu ironicamente e repetiu a pergunta: está cheio? Desta vez, os participantes duvidaram: Talvez não ...

Ele colocou um balde de areia na mesa e começou a despejar na jarra. A areia penetrava nos cantinhos deixados pelas pedras e seixos. “Está cheio?” Ele perguntou novamente. “Não!” Exclamaram os assistentes.

Por fim, ele pegou uma jarra com água e começou a despejar na jarra. O frasco ainda não estava cheio.

"O que mostramos?", Perguntou o homem ao público.

Um aluno respondeu: "Não importa o quanto sua agenda esteja cheia, se você tentar, sempre poderá fazer mais coisas caberem."

“De jeito nenhum!” Concluiu o especialista. O que esta lição nos ensina é que, se você não colocar as pedras grandes primeiro, nunca poderá colocá-las depois.

Esse era o problema das tribos de Gade e Rúben. Eles deixaram as grandes pedras para o final.