Torá em Português

Parashat Vaishlach

Pragmatismo

Tradução de español: David Abreu

Uma das instituições centrais na sinagoga desde a época de Esdras até a época de ChaZal era o meturgueman, que ficava ao lado do leitor da Torá e traduzia os versículos da Bíblia um por um.

O aramaico foi por vários séculos a língua dominante no Oriente Médio, e a Terra de Israel não foi exceção. É por isso que a leitura ritual da Torá e Haftarot exigia uma tradução para a língua usada pelas massas.

Muito do Talmud é escrito na língua aramaica, e a liturgia judaica contém orações proeminentes nessa língua. O Kadish, o Kol Nidrei e o Ha-Lachma Ha-Ania na Hagadá da Páscoa são apenas três exemplos.

No entanto, ChaZaL oferece na mishná uma lista de passagens bíblicas que devem ser lidas sem tradução (Mishná Megillah 4, 10 e guemará abaixo). Essas são, sem exceção, passagens problemáticas que podem ser mal interpretadas pela congregação ou apresentar nossos ancestrais de forma desfavorável. Entre eles é mencionado - por exemplo- a passagem de Reuven e Bilha, concubina de Yaakov (Bereshit 35, 22) ou o episódio de Amnon e Tamar, no livro de Shmuel (Shmuel II 13).

Chama a atenção que entre os ditos episódios "censurados" por nossos Sábios, não se cite o episódio de Diná citado em nossa Parasha; Este episódio apresenta Levi e Shimon de uma forma nada lisonjeira. Aparentemente, ChazaL entendeu que esta história contém uma mensagem que deve ser lida, traduzida - e acima de tudo - entendida.

Dina era a única filha de Yaakov e sua esposa Leah. Depois de ter ficado por muitos anos na casa de Lavan, o aramaico, a Torá nos diz que Yaakov está se restabelecendo na terra de Canaan.

Um dia, Dina saiu de casa e Shchem ben Chamor, o Chiveo, um dos homens fortes da região, sequestrou a jovem, estuprou-a e humilhou-a. Então ele se apaixonou perdidamente por ela.

Shchem pede a seu pai Chamor para intervir para tomar Dina como sua esposa. Enquanto isso, Yaakov já tinha ouvido falar sobre o que aconteceu e - surpreso - ele não sabe como reagir.

Chamor, o pai do estuprador, surpreende a todos com suas habilidades diplomáticas. Ele propõe a Yaakov e seus filhos um acordo.

“E Chamor falou com eles, dizendo: Shchem, meu filho, deseja sua filha com toda a sua alma; agora dê-a a ele por esposa e case-se conosco; , 8).

Chamor quer seduzir Yaakov e seus filhos. Ele sabia que estava se propondo a fazer um pacto atraente. Ele também propôs que eles tomassem posse da terra.

No entanto, os filhos de Yaakov tinham planos diferentes. Eles responderam que só poderiam prosseguir com a aliança se os filhos de Chamor concordassem em ser circuncidados. Para surpresa do leitor - e possivelmente para surpresa dos filhos de Yaakov - os filhos de Chamor atendem ao seu pedido e convencem todos os seus homens a realizar a intervenção.

Depois de três dias, quando ainda estavam com dor, Shimon e Levi libertaram Dina em uma operação relâmpago, matando Chamor, Shchem e todos os seus homens pela espada.

A conversa entre Yaakov e seus dois filhos no final do capítulo se assemelha a uma conversa entre surdos. Enquanto Yaakov diz a eles: "Você me perturbou para me tornar odioso entre os habitantes da terra" (Bereshit 34, 30), eles se justificam dizendo: "Ele fará de nossa irmã uma prostituta?" (34, 31).

Yaakov repreende Shimon e Levi não porque eles realizaram uma retaliação ilegítima e injusta, mas por causa do medo de que suas ações despertem ações contra eles.

Yaakov é um pragmático e isso deve ser conhecido. É por isso que nossos Sábios não adicionaram esta passagem à lista de histórias "censuradas". Esse pragmatismo deve ser lido, traduzido e compreendido.

Porque no Oriente Médio, hoje e ontem, não basta estar certo ... Você também tem que ser inteligente.