Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Nasó

Pacificadores

Tradução de español: David Abreu

Entre os muitos temas que são mencionados na Parashat Nasó, hoje gostaria de me referir à Bênção Sacerdotal ou, em sua forma hebraica, Birkat HaCohanim.

Esta brachá -que é parte integrante da repetição da Amidá- também é conhecida por fazer parte da bênção que damos aos nossos filhos semanalmente na mesa de Shabat.

"E o Eterno disse a Moshe, dizendo: Fale com Aharon e seus filhos dizendo: assim eles abençoarão os filhos de Israel: O Eterno te abençoe e te guarde. Deixe o Eterno brilhar Seu rosto em sua direção, e te agracie. O Eterno Vire o rosto dele para você e te dê a paz ... "(BeMidvar 6: 24-26)

A Bênção Sacerdotal é redigida em ordem ascendente e é separada em três partes. O primeiro - em sua fórmula hebraica - contém três palavras, o segundo cinco e o terceiro sete. É por isso que essa bênção é conhecida como "Brachá HaMeshuleshet" (A bênção dos três versos).

E essa brachá atinge seu clímax com a afirmação da palavra "Shalom" (paz), possivelmente a palavra mais reconhecida na língua hebraica.

O que pode ser dito sobre a paz que não foi dito até agora?

Nossos sábios ensinam:

Grande é a paz que todas as bênçãos e tefilot concluem com paz.

A leitura do Shemá conclui com: "Estenda seu manto de paz sobre nós." A bênção sacerdotal termina com: "... e dai-vos a paz." Todas as bênçãos (da Amidá) concluem com paz: "Criador da paz" (Ialkut Shimoni, Parashat Nasó).

Os Sábios de Israel transmitem aqui uma mensagem profunda, mas, ao mesmo tempo, desconcertante.

A paz é um bem supremo, mas, ao mesmo tempo, parece-nos dizer que não depende de nós nem nos pertence. É D'us quem faz a paz e é Ele quem nos concederá a paz.

Que papel desempenhamos em tudo isso?

Embora - pelo menos do ponto de vista estritamente teológico - essa ideia seja razoável, o ser humano - à luz dessa fonte - é reduzido a um sujeito passivo no que diz respeito à busca da paz.

Se a paz não está em nossas mãos e só pode ser adquirida por meio da bênção do Céu ... o que podemos fazer por ela além de orar?

É verdade que devemos continuar a orar pela paz em Israel (e no mundo!), Mas talvez devêssemos investir mais energia no que está ao nosso alcance, como meios de subsistência, educação e justiça social.

Vamos deixar paz para poetas e sonhadores ...

Por que tentar tanto em algo que depende exclusivamente de D'us quando - além disso - não temos "parceiros" para falar sobre paz?

Baal HaTurim, traz em seu comentário à Torá, uma ideia que ilumina as sombras.

"Shalom" - diz o Baal HaTurim – soma na guematria o mesmo que "Esav" (comentário a BeMidvar 6, 26).

Quando ouvimos nos nossos dias que no Médio Oriente “não temos com quem falar”, devemos saber que esta ideia não nasceu nos nossos dias.

O povo de Israel sabe, há quase quatro mil anos, que Esav nunca será um parceiro para a paz.

Você também não pode falar com ele ...

E de repente, Baal HaTurim nos ensina e nos surpreende com esta peculiaridade: o valor numérico da palavra Shalom e da palavra Esav é idêntico.

E o Baal HaTurim acrescenta:

"Você deve antecipar a cada homem sua saudação, incluindo Esav."

Mesmo que Esav tenha transformado o imaginário judaico em um símbolo do guerreiro cruel e sanguinário, Baal HaTurim sugere que devemos evitar nos tornar súditos passivos quando se trata de paz. Não é correto. A paz não é propriedade exclusiva de D'us, mas podemos apressar sua vinda.

Como?

O Prof. Ishaiahu Leibovitz já o disse em alguma ocasião referindo-se a essa semelhança entre a palavra Shalom e o nome Esav.

"Isso nos foi ensinado para que o povo de Israel saiba até que ponto a paz é um imperativo que os preocupa. Já que não haverá paz para Israel, até que haja paz entre Yaakov e Esav."
Ou em outras palavras: até que entendamos que o impossível é apenas aquilo que nunca foi tentado.