Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Shelach Lechá

Olhos e boca

Tradução de español: David Abreu

Quando nos referimos a Parashat Shelach Lecha, geralmente falamos do início e não do fim.

No entanto, os últimos versos da Parashá são mais do que conhecidos por qualquer um que esteja familiarizado com o sidur e a tefilá: é a seção sobre o tsitsit, que constitui o terceiro parágrafo da leitura de Shemá Israel.

O início da Parashá pode estar relacionado ao seu fim? O que a história dos meraglim (espias) - mencionada no início - tem em comum com as franjas (tsitsit) que colocamos nas pontas de nossas roupas?
....
Doze homens foram enviados para explorar a terra. Doze indivíduos, um para cada tribo israelita, foram para a terra de Canaã - a Terra Prometida - com um slogan claro e preciso: traga informações sobre a Terra que eles herdariam.

E Moshe disse a eles:

"... vocês verão a terra, como é; e as pessoas que a habitam, se é forte, se é fraca, se é pequena, se é numerosa. E como é a terra em que mora, se é boa Ela, se é má, e que tal as cidades em que se mora nelas, se são cidades abertas, se são cidades fortificadas e como é a terra, se é fértil, se é estéril; se há uma árvore nela, se não; e esforçareis e tomareis do fruto da terra ... ”(BeMidvar 13, 18-20).

Impossível encontrar um slogan mais claro. Os enviados deveriam trazer consigo uma radiografia de seu futuro. Eles tinham que espionar a terra, as pessoas que a habitavam e suas cidades.

O que finalmente aconteceu é que dez daqueles doze homens voltaram com seu relatório ao acampamento de Israel e o inundaram de desânimo e pessimismo.

Onde está oculto o motivo do pecado dos meraglim?

Deixe-me esboçar uma resposta:

Nossos Sábios dizem (Tanchuma, Vaikrá 18) que o homem tem três partes em seu corpo sobre as quais ele tem controle, e três sobre as quais ele não tem controle. O homem tem potencial para controlar sua boca, mãos e pernas. Com a boca, se quiser, pode se dedicar à Torá ou para insultar e ofender. Com as mãos, ele pode dar tsedacá ou - Deus nos livre - ele pode roubar. Com suas pernas, ele pode visitar sinagogas ou correr atrás de transgressões.

Em contraste, o homem não pode controlar seus olhos, ouvidos ou nariz. Ninguém pode escolher o que ver, ouvir ou cheirar. Nossos sentidos são frequentemente invadidos por imagens, sons ou cheiros contra a nossa vontade.

Na verdade, é a isso que se refere a seção do tsitsit que lemos no final da Parashat Shelach Lecha.

A Torá nos diz que devemos olhar para o tsitsit para não nos perdermos em nossos corações e olhos (BeMidvar 16, 39).

Os tsitsit são de certa forma um "antídoto" contra a qualidade traiçoeira de nossas pupilas, já que muitas vezes são invadidas por imagens indesejadas ou - o que é pior - pensam que veem o que nunca viram.

Essa é precisamente a semente do pecado dos meraglim. Seus olhos percorreram a sagrada Terra de Israel e resumiram a visita com uma declaração infeliz e lacônica: "O país por onde passamos para explorá-lo é uma terra que devora seus habitantes" (BeMidvar 13, 32).

Naquela noite, o povo começou a chorar incontrolavelmente, entendendo que a missão de entrar na Terra Prometida seria nada menos que impossível. Aquela noite - de acordo com nossos Sábios - foi a noite de Tisha BeAv (dia 9 do mês de Av).

D'us disse: "Hoje você chora um grito gratuito; no futuro - nesta mesma noite - seu grito atravessará gerações" (Taanit 29a)

No Pergaminho de Eichá, que lemos justamente em Tisha BeAv, encontramos uma peculiaridade marcante que está diretamente relacionada ao olhar distorcido daqueles dez meraglim.

O Pergaminho Eichá é escrito principalmente de acordo com a ordem do alfabeto hebraico. Nos primeiros quatro capítulos do livro, o primeiro versículo começa com a letra aleph (א), o segundo com a bet (ב) e assim por diante. Porém - a partir do segundo capítulo - algo especial acontece quando a letra aín (ע) é alcançada. A letra aín, aparece após o pe (פ) quando, na realidade, deveria ser o contrário.

Deve-se notar que a palavra hebraica aín significa "olho", enquanto pé significa "boca". É por isso que os Sábios de Israel dizem, referindo-se a esta particularidade (Sanhedrin 104b):

Por que razão a (letra) pe precede a (letra) aín (no rolo de Eichá)? É devido aos meraglim, visto que falavam com a boca (pé) o que não viam com os olhos (aín).

A menção do preceito do tsitsit no final da Parashá apenas nos lembra o quão traiçoeiros nossos olhos podem ser. Assim como os olhos daqueles Meraglim eram traiçoeiros.