Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Tazría

O mosquito e o homem

Tradução de español: David Abreu

A Parashat Tazría começa com a descrição das manchas na pele, enumeração que continuará na Parashat Metzorá que leremos na próxima semana.

Rabino Shmuel bar Nachmani diz no Tratado de Arachin que sete são os pecados que causam essas doenças de pele no homem, a saber: fofoca (Lashon HaRa), derramamento de sangue (Shefichut Damim), juramentos vãos (Shvuat Shav), relações sexuais proibidas (Gilui Araiot ), orgulho (Gasut Ha Budapj), roubo (Gezel) e inveja (Tzarut HaAin) (Arachin 16b).

Hoje gostaria de me referir ao orgulho, pois está na raiz de todos os outros vícios.

Todos nós conhecemos bem este pecado. Aqui em Israel, esse vício sofreu mutação na forma de Chutzpá. Todos nós sabemos que esta é uma das características mais prejudiciais de nossa sociedade israelense. Sabemos que no mundo existe "perfume francês", "doce de leite argentino" e "chá inglês". Mas a Chutzpá, senhores, é israelense ... Kachol Laván!

O que é Chutzpá? Como podemos definir esta palavra?

O Chutzpán sente que está localizado no centro do universo. Todos os direitos são seus, também a razão está sempre do seu lado. Você não respeitará seu vizinho na fila do caixa do supermercado ou na fila de carros que se aglomeram para esperar o semáforo mudar de cor. O Chutzpán é sempre o único com pressa e tende a ficar ofendido se chamam sua atenção.

Na verdade, o homem nasce com essa característica, que está relacionada ao orgulho. Quando uma criança sente desconforto, ela é capaz de virar o mundo para ser atendida. Quando falamos sobre dor física, essa reação é compreensível. O problema é que as crianças reagem da mesma forma quando querem uma guloseima ou um mundo inteiro. Eles também vão gritar e virar o mundo de cabeça para baixo.

A criança age assim, porque os pequenos têm aquela qualidade: sentem que são o centro da criação. No entanto, deve-se notar que somos todos descendentes de Adão, que era o centro do mundo e - aparentemente - ele legou essa característica a todos os seus descendentes.

No Tratado do Sanhedrín, há uma nota interessante sobre a criação do primeiro homem na véspera do Shabat. Se o homem é a coroa da criação, o Talmud pergunta ... por que ele foi criado no final do processo e não no início?

Entre as respostas interessantes a esta pergunta, somos ensinados que o homem foi criado por último “para que, quando o orgulho o atacar, possa ser dito: 'Até o mosquito te precedeu na obra da criação!' (Sanhedrín 38a).

O Rabino Naftali de Barshad costumava dizer: No mundo vindouro, serei capaz de encontrar uma desculpa para cada um dos meus pecados, exceto para o pecado do orgulho.

Se me perguntassem por que não estudei mais a Torá, responderia que era um ignorante que não sabia estudar. Se perguntado por que não dei mais tsedacá, responderei que não tenho dinheiro suficiente. Se perguntado por que não jejuei o suficiente, poderia argumentar que sou um homem fraco.

Mas alguém virá e me dirá: "Naftalí ... você não teve força, sabedoria ou dinheiro ... por que você foi arrogante?" Então, vou ficar sem respostas ...

A Torá nos avisa na Parashat Tazria sobre as consequências desse vício injustificável e sobre seu poder destrutivo. E como antídoto, nossos sábios nos convidam a ter sempre em mente que até o minúsculo mosquito nos precedeu na ordem da criação.