Torá em Português

Parashat Vaetchanan

O Capacete ou a Vida

Tradução de español: David Abreu

A Parashat Vaetchanan que lemos esta semana - além de listar os dez mandamentos - contém uma das passagens centrais da Torá e - provavelmente - a mais emblemática de toda a liturgia hebraica.

Estou falando sobre o "Shema Israel" (Devarim 6, 4-9).

No siddur das orações (livro de rezas), o Shema Israel é dividido em três seções, duas das quais leremos nas próximas duas semanas (ver Devarim 11, 13-21).

O "VeAhavta" (Você amará o Eterno, seu Deus) contém valores nevrálgicos da Torá de Israel:

O amor a Deus ("E você amará o Eterno, o seu Deus").

O cumprimento dos preceitos (“E estas palavras que hoje te mando estarão no teu coração”).

O estudo da Torá e sua transmissão para as gerações futuras ("E você vai ensiná-los a seus filhos e vai falar deles").

Os preceitos de Tefilin e Mezuzah ("E você os amarrará como um sinal em sua mão e eles serão como frontais entre seus olhos e você os escreverá nos umbrais de sua casa ...).

Ninguém poderia duvidar da centralidade desses valores na vida do povo judeu. No entanto, se lermos a segunda seção do Shemá que leremos na Parashat Ekev na próxima semana, veremos que ela não traz grandes notícias.

Também aí o amor a Deus será mencionado ("amar o Eterno, o seu Deus, e servi-lo de todo o seu coração).

O amor pelos preceitos ("E porás no teu coração estas minhas palavras").

A transmissão da Torá ("e você vai ensiná-los a seus filhos a falar sobre eles").

Os preceitos de tefilin e mezuzá: ("e você os escreverá nas ombreiras de sua casa e em suas portas").

O conteúdo de ambas as seções é aparentemente idêntico. No entanto, existe uma diferença crucial entre eles. A segunda seção enfatiza um conceito que não aparece na primeira: a noção de recompensa e punição ("se escutar escutarei ... darei grama no seu campo, para seus animais e você comerá e ficará satisfeito, cuidem-se, não desviem o seu coração ... e a ira do Eterno se acenderá em vocês e fechará os céus ").

Enquanto a primeira seção nos ordena cumprir mitzvot motivados pelo amor desinteressado a Deus, a segunda nos fala de um serviço que traz benefícios e danos.

Por que é necessário adicionar esta segunda seção se já nos foi dito que a Torá e os preceitos "são a nossa vida e o prolongamento dos nossos dias"?

Vou trazer um exemplo profano para responder a essa questão.

Um homem que dirige uma motocicleta deve usar um capacete na cabeça.

Se lhe dissermos: "Deve usar capacete, porque esta é a sua vida e o prolongamento dos seus dias", pode ouvir-nos ... mas, muito possivelmente, é um aviso abstrato.

Mas se dissermos: "É preciso usar capacete, senão será multado e sua motocicleta será confiscada", nosso alerta terá mais eco e, com certeza, será mais eficiente.

Por que as pessoas começaram a colocar os cintos de segurança alguns anos atrás?

Na década de 70, os carros na Argentina eram fabricados sem nenhum sistema de segurança na cabine e não havia consciência dos riscos que isso acarretava.

No entanto, no início dos anos 80 começou um novo regulamento que obrigava cada carro a instalar cintos sob pena de multas onerosas. Originalmente, os motoristas instalaram tais sistemas, simplesmente por medo da penalidade. Demorou muitos anos para entender que os cintos salvaram vidas (ainda há pessoas que não estão convencidas!).

Hoje podemos passar por um processo semelhante com a proibição de falar ao celular e enviar mensagens de texto enquanto dirigimos. Todo mundo conhece a "teoria". Porém, na grande maioria das vezes, cuidamos de nossas vidas na estrada, principalmente por medo da viatura escondida atrás da árvore.

Perder a vida não é uma lesão suficientemente grave?

Acontece que muitas vezes um aviso menor e palpável (multa) é mais eficaz do que um aviso infinitamente maior e abstrato (morte).

Esse é o objetivo da segunda seção do Shema Israel.

Um aviso concreto que acentua o tom da Torá.

O primeiro passo, muitas vezes, é o aviso concreto que abre a porta para o cumprimento da regra por seu motivo último.

Como o RaMbaM diz em sua Mishneh Torá (Hilchot Teshuvah 10, 1):

O homem não deve dizer: sigo os preceitos da Torá, e cuido de sua sabedoria, para receber as bênçãos ali escritas, ou para ser digno da vida no mundo vindouro; e me afasto das transgressões descritas na Torá, para me salvar das maldições escritas na Torá e não ser arrancado da vida no mundo vindouro. Não é apropriado servir a Deus desta forma, porque quem serve desta forma o faz por medo e esta não é a o que ensina os sábios e profetas. E não servem a Deus desta forma, mas sim às pessoas comuns ... que são educadas para servir (a Deus) por medo, até que o seu conhecimento aumente e possam servi-lo por amor.

Simplesmente porque dizer "COLOQUE UM CAPACETE PARA PROLONGAR OS SEUS DIAS" é verdade, mas nem sempre funciona.