Torá em Português

Parashat Ki Tisá

Montagem

Tradução de español: David Abreu

Na noite de Yom HaKipurim, costuma-se ler um misterioso prelúdio do Kol Nidrei (reza de encerramento do Yom HaKipurim):

"Com a aprovação do Onipresente, e com a aprovação da congregação, na assembléia celestial e na terrestre, é-nos permitido orar com os transgressores."

Muitas são as explicações dadas a este curioso parágrafo. Há quem associe esta invocação ao tempo da Inquisição, em que muitos judeus foram forçados a esconder a sua origem. Acredita-se que os criptojudeus organizaram orações comunitárias em Yom HaKipurim e, por meio dessa invocação, pediram a D'us que suas orações fossem ouvidas, embora durante todo o ano eles tenham sido forçados a transgredir a lei judaica.

Esta explicação é de veracidade duvidosa, uma vez que esta fórmula aparece pela primeira vez em um livro de orações Ashkenazi do século 13, antes da expulsão dos judeus da Espanha. No entanto, o verdadeiro motivo desta passagem não é o assunto que me preocupa hoje.

O que é relevante é a mensagem que emerge deste prelúdio: uma congregação religiosa deve ter suas portas abertas a todo o povo de Israel, sem distinção de classes sociais ou níveis de observância.

Essa ideia também é sugerida em Parashat Ki Tisá.

Entre a diversidade de tópicos que nossa porção semanal traz - que inclui o mandamento do meio siclo e a lendária história do bezerro de ouro - a Torá menciona o mandamento do incenso que era oferecido no Tabernáculo e, posteriormente, no Templo de Jerusalém .

De acordo com a tradição talmúdica, o incenso era feito de onze ingredientes diferentes. Dez das especiarias exalavam um aroma agradável (somos ensinados que o aroma do incenso chegou a Jericó). Porém, um dos ingredientes do incenso - gálbano ou Chelbená, em hebraico - exalava um cheiro diferente e - aliás - bastante desagradável.

Ensina a Gemará em nome do Rabino Shimon Hasidá:

“Qualquer jejum comunitário em que os transgressores de Israel não participem, não é um jejum (válido), pois o gálbano exalava um mau cheiro, e (mesmo assim) as Escrituras o contavam entre os ingredientes do incenso” (Kritut 6b) .

A propósito, é dito que em uma ocasião que o Rabino Pinchas HaLevi Hurvitz convocou um minyan (composto por dez pessoas) em sua casa. Quando o quórum de congregantes foi concluído, Rabi Pinchas observou que entre os presentes, havia um que não tinha a melhor reputação. Então ele saiu para a rua em busca de uma nova pessoa para o minyan.

O homem - transgressor porém esclarecido! - aproximou-se do rabino Pinchas e disse: "Diga-me, rabino: não lemos no Talmude que o gálbano também fazia parte do incenso?"

"Você está certo", concordou o Rabino sorrindo. "Precisamente por isso os ingredientes do incenso são onze!"

Rabino Kuk costumava dizer que, assim como o vinho não pode existir sem sedimento, o mundo também não pode existir sem transgressores. E se nos deixarmos guiar pela sabedoria do hebraico, veremos que a palavra TZiBUR (Congregação) é composta pelas iniciais das palavras TZadikim (Justo), Beinoniim (homem comum) e Reshaim (ímpio). Essas três iniciais estão ligadas pela letra vav, dando a orientação de que toda congregação deve ser heterogênea em sua essência.

Este é, de fato, um motivo recorrente na tradição judaica. Os Aravot também são contados entre as quatro espécies do festival de Sucot, embora não tenham aroma nem sabor. O filho perverso também se senta conosco ano após ano à mesa do Seder de Pessach.

A Torá ensina que cada componente do povo de Israel é indispensável. E, possivelmente, esta é uma das mensagens mais poderosas ensinadas por todas as seções da Torá que lidam com a construção do Tabernáculo e seus utensílios.

Na base de todas essas Parashiot, está a mesma mensagem: a assembléia. É disso que tratam todas essas porções. Madeiras, lã e pedras preciosas são montadas para formar o Tabernáculo e seus utensílios. Espécies e ervas específicas são reunidas e resultam em incenso ou no próprio óleo da unção.

É por isso que cada ingrediente - a Torá ensina - é indispensável. Caso contrário, a montagem está incompleta.

O mesmo ocorre com a congregação de Israel. Como o Rabino Harold Kushner uma vez ensinou: Uma congregação que recebe apenas santos seria comparável a um hospital que recebe apenas pessoas saudáveis.