Torá em Português

Parashat Vaishlach

Lutar é Triunfar

Tradução de español: David Abreu

A Parasha desta semana registra uma das primeiras batalhas da história da humanidade. Uma luta desigual, desde os jornais. Por um lado, Yaakov, nosso terceiro patriarca. Um homem delicado, de vida tranquila, comerciante e com pouca vontade de lutar. Seu oponente, do outro lado do ringue, um anjo do céu, com tudo o que isso significa.

A luta dura a noite toda. Não há intervalos comerciais ou mulheres atraentes anunciando o início das rodadas. Não há juiz nem mesmo nesta luta; parece que vale tudo.

A crônica da luta é bastante breve. Apenas um golpe é registrado. Vendo o anjo que não podia com Yaakov, ele golpeia sua coxa com força e o torna coxo.

Quando amanhece, a luta termina. Não há juiz nesta luta, mas o anjo considera Yaakov o vencedor por meio de uma frase que o deixará marcado para o resto de sua vida:

VaIomer, Lo Yaakov Ieamer Od Shimja Ki Im Israel, Ki Sarita Im Elohim VeIm Anashim VaTujal. (E o anjo disse a ele: 'Seu nome não será mais chamado de Yaakov, mas Israel; pois você lutou com D'us e com os homens e venceu' (Bereshit 32, 29).

É surpreendente e paradoxal também. O vencedor é Yaakov, de acordo com o veredicto de seu oponente. Mas quem sai de cena da luta manco ... também é Yaakov!

Como é possível? De que tipo de vitória estamos falando? Como pode ser que o vencedor fique manco e o perdedor voe de volta para o céu?

Certamente, a vitória de Yaakov vai para o outro lado. Obviamente, nessa luta, quem acertar mais não vence; se assim fosse, Yaakov teria perdido.

A vitória de Yaakov é que ele lutou. Na vida real, lutar é sucesso ...

Somos informados de que um pequeno verme caminhava em direção ao sol. Bem perto do caminho havia um grilo. “Onde você está indo?” Ele perguntou.

Sem parar de andar, a lagarta respondeu: "Eu tive um sonho ontem à noite, sonhei que do topo da grande montanha eu estava olhando para o vale inteiro. Gostei do que vi no meu sonho e decidi fazer '.

Surpreso, o grilo disse enquanto o amigo se afastava: 'Você deve estar louco! Como você pode chegar a esse lugar? Você, uma simples lagarta! Uma pedra será uma montanha, um pequeno lago um mar e qualquer tronco uma barreira intransponível. '

Mas o pequeno verme já estava longe e ele não ouviu; Seus minúsculos pés não paravam de se mover. De repente, ouviu-se a voz de uma lagosta: "Aonde você está indo com tanto esforço?" Suando, o verme disse-lhe ofegante: "Tive um sonho e quero realizá-lo: subir aquela montanha e daí contemplar o nosso mundo inteiro."

A lagosta não se aguentou de rir, riu e então disse: "Nem mesmo eu, com pernas tão grandes, tentaria uma empreitada tão ambiciosa."

A lagosta caiu no chão rindo enquanto a lagarta continuava seu caminho, já tendo avançado alguns centímetros.

O mesmo aconteceu com a aranha, a toupeira, o sapo e a flor ... Todos aconselharam nosso amigo a desistir.

"Você nunca vai conseguir!", Disseram a ele. Mas dentro daquele verme havia um impulso que o forçou a continuar.

Já exausto, sem forças e prestes a morrer, decidiu parar para descansar e construir com seu último esforço um lugar para pernoitar. Foi a última coisa que ele fez; lá ele jazia nas pedras ...

Todos os animais do vale por dias foram olhar seus restos mortais; lá estava o animal mais louco da cidade. Seu túmulo era um verdadeiro monumento à loucura.

Certa manhã, quando o sol brilhava de maneira especial, todos os animais se reuniram em torno do que se tornara um aviso aos ousados.

Mas de repente todos ficaram surpresos. Aquela casca dura começou a rachar e, com espanto, viram olhos e uma antena que não podiam ser da lagarta que acreditavam morta. Não havia nada a dizer, todos sabiam o que ele faria: aquela borboleta voaria até a grande montanha e tornaria um sonho realidade; o sonho pelo qual ele viveu, pelo qual ele morreu e pelo qual ele viveu novamente. Todo mundo estava errado ... exceto ele ...

Nós também somos, ou - pelo menos - deveríamos ser. E se lutarmos pelo que amamos e em que acreditamos e percebermos que não podemos, também podemos precisar parar no caminho e experimentar uma mudança radical em nossas vidas.

Yaakov triunfou porque lutou, não porque acertou ... Yaakov triunfou porque mudou.

Yaakov, o oportunista, aquele que roubou a bênção de seu irmão, volta para casa com mais vinte anos nas costas, tendo se dedicado ao trabalho honesto, acumulando uma pequena fortuna e constituindo uma família.

Sim, até o nome que carregará pelo resto da vida o testemunhará! O anjo o chama de 'Israel' ... Ki Sarita, 'Porque você lutou' ... (ele não diz 'Porque você venceu'). O anjo privilegia o dom da luta do patriarca.

Porque na selvageria do boxe, quem acerta mais vence. Na vida real, o verdadeiro vencedor não é aquele que acerta o parceiro com precisão, mas aquele que sabe lutar.