Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Behar

Kasher ... mas fedorento

Tradução de español: David Abreu

Parei há alguns dias para estudar a origem da expressão hebraica Kasher Aval Masriach (Kasher ... mas fedido).

Essa expressão vem de uma velha piada iídiche.

Numa época em que as fraldas não eram descartáveis, uma mulher cometeu um erro fatal e decidiu lavar a fralda de seu bebê na panela de sopa.

A mulher então foi visitar seu Rabino para pedir um conselho: “A sopa é kasher?” Ela perguntou.

"Kasher é", respondeu o Rabino. "Mas fedorenta!" (Kasher, aval masriach!).

Esta expressão desde então descreve a conduta daquele judeu que age de acordo com a lei, mas, ao mesmo tempo, esquece o espírito da lei. É o que o RaMbaN (comentário sobre VaIkrá 19, 2) chama Naval BiReshut HaTorá (Um infame dentro dos limites da Torá).

Há um exemplo claro desse conceito em nossa seção semanal.

Ensine a Torá em Parashat BeHar:

"E quando um homem vender uma casa murada na cidade, será o seu resgate até o final do ano da sua venda; um ano será o seu resgate. E se ele não for resgatado até que o ano seja completado, a casa dש cidade murada permanecerá perpetuamente para o comprador, para as suas gerações; não sairá no jubileu "(VaIkrá 25, 29-31).

Suponha que um homem precise de dinheiro e decida vender sua casa para pagar uma dívida. De acordo com a lei bíblica, tal homem retém o direito de readquirir a propriedade - de quem a comprou - durante o ano após a operação original (isso é chamado de "resgatado" pela Torá). Caso contrário - no final do ano - a casa passará definitivamente para as mãos do comprador.

A lógica por trás dessa lei é clara. Temos duas partes aqui. Por um lado, quem vendeu sua propriedade, não porque quis, mas por necessidade. Do outro, quem comprou a casa. Um foi instado a vender sua casa; o outro comprou a casa de acordo com lei e tem o direito de saber que a casa será definitivamente sua.

Porém, a Torá, levando em consideração a situação extraordinária, estipula um período em que a referida casa permaneça em uma espécie de limbo jurídico. Pertence ao comprador, mas o vendedor reserva-se o direito de resgatá-lo durante o ano seguinte à venda.
....
No entanto, como em muitos casos, houve muitos que começaram a violar o espírito da lei.

A Mishná (Arachín 9, 4) nos traz um exemplo formidável da expressão Kasher Aval Masriach.

A Torá fala apenas de um período de um ano. Não é abundante em detalhes. A Mishná nos diz que os compradores "desapareceram" de cena como num passe de mágica, à medida que se aproximava a data do resgate. Aconteceu então que os vendedores, que conseguiram recuperar o dinheiro para "resgatar" a casa, chegaram ao comprador com o cheque nas mãos e de repente esconderam-se.

Eles saíram de férias, não atenderam o celular nem o WhatsApp ...

Foi então que o período letivo foi concluído e a casa estava definitivamente em suas mãos. O que eles fizeram foi legal ... mas violou o espírito da lei. Kasher Aval Masriach ...

Quem veio corrigir essa distorção foi Hillel, o mais velho, que estabeleceu uma regra pela qual o vendedor era autorizado, no decorrer daquele ano, a depositar a quantia do resgate no Tesouro de Beit HaMikdash, concedendo-lhe assim o direito de voltar para casa e - até mesmo - para quebrar a porta de sua casa se ela estiver fechada.

Diz o Rabino Mikhael Graetz, ao analisar esta passagem:

“O papel de cada geração no processo haláchico não se limita apenas a considerar as transformações sociológicas que se geraram desde o nascimento da norma. Também vale a pena considerar que os sistemas de valores são dinâmicos, o que para uma geração pode ser“ bom ”, para o outro pode ser "mau". A aspiração do Judaísmo é o Bem, mas com o passar das gerações a noção de "bom" e "mau" também pode mudar. E quando esse sistema de valores é alterado, o sistema jurídico deve refletir essas mudanças. "

Porque sempre houve seres infames que em nome da Torá, e dentro de seus limites, violam o espírito da Lei. É a missão de cada geração fazer com que o kasher e o fedorento nunca andem de mãos dadas.