ToTorá em Portuguêsrá em Português

Parashat Shoftim

Justiça na Batalha

Tradução de español: David Abreu

A Parashat Shoftim, contém em suas linhas uma quantidade significativa de leis referentes à organização do estado e da justiça.

Os temas estão acontecendo com velocidade surpreendente. Começaremos falando sobre a criação de Tribunais de Justiça, depois falaremos sobre respeito aos veredictos dos Batei Din e a partir daí passaremos a definir a posição do rei e as limitações de sua função.

No entanto, depois de elaborar essas leis, a Torá mudará de curso e se voltará para a guerra.

"Quando você sair para a guerra contra seus inimigos, e vir cavalos e carruagens, um povo mais numeroso do que você, não os tema, porque o Eterno, seu D'us, (está) com você, aquele que o fez deixar o terra do Egito "(Devarim 20, 1).

O político e jornalista francês Georges Clemenceau disse certa vez que "a guerra é um assunto muito sério para ser confiado aos militares". Talvez por isso a Torá considere essencial estabelecer os limites para um ato que, por definição, parece não tê-los.

A Torá está encarregada de nos dizer que a guerra não é o jogo do "vale tudo". Existem regras éticas quando se trata de batalha e certas barreiras que não devem ser transpostas. A vitória não deve cegar os olhos do homem e autorizá-lo a cometer abusos, escondendo-se na imunidade que lhe confere a sua condição de vencedor - ou então - no anonimato que o combate confere. A guerra - curiosamente - também tem regras e a Torá é responsável por mencioná-las.

RaSHI tem um comentário muito interessante sobre essa sucessão temática entre justiça e guerra. Por que a guerra acontece com a justiça? O que uma coisa tem a ver com a outra?

RaSHI diz: O texto liga a saída da guerra à justiça para dizer a você ... se você fizer justiça, você certamente vencerá quando sair para a batalha.


Este comentário de RaSHI nada mais faz do que destacar uma das questões mais quentes em nossa realidade israelense: os limites da guerra. Como fazer para pegar em armas em legítima defesa e manter a altura moral que emana de nossa tradição? Como podemos defender nossa integridade física sem perder a integridade espiritual?

E o mais complexo: como discriminar entre a crítica anti-semita e a judeufóbica que fere Israel a partir da crítica legítima que fala de abusos de poder entre nossos soldados que denigrem outros seres humanos pelo simples fato de viverem atrás de uma linha verde?

Israel teve um desafio por mais de meio século que era estranho a ele por quase dois milênios: como travar uma guerra e ainda ser quem é? Como podemos permanecer Yaakov e não nos tornar Esav? Como entender que a espada é um meio e não um fim? Como defender com justiça uma causa justa?

Talvez o início da Parashat Shoftim enfatize este último ponto.

Parashat Shoftim, contém entre suas primeiras linhas um dos psukim (versículos) mais conhecidos de toda a Torá: Tzedek, Tzedek Tirdof (Justiça, Justiça você perseguirá).

Por que esse imperativo de buscar justiça contém a palavra 'Tzedek' (Justiça) 'duas vezes? Não bastava dizer Tzedek Tirdof?

Diz o Rabino Simcha Bunem de Pshischa: "Mesmo a justiça, você deve perseguir por meio da justiça."

As causas justas são defendidas caminhando por caminhos justos e bem-sucedidos. Objetivos sagrados - como defender nossa terra - são alcançados usando métodos sagrados.

RaSHI - em seu comentário à Torá - não está apenas dizendo que fazer justiça garante a você uma vitória. RaSHI - pelo menos é assim que eu entendo - também quer nos dizer que se você vencer uma guerra esquecendo a justiça, você realmente a perdeu.