Torá em Português

Parashat Vaigash

Jogando por um Irmão

Tradução de español: David Abreu

A briga entre irmãos é uma das marcas do Sefer Bereshit. Era hora de a Torá nos mostrar o outro lado: aquele de um homem que se joga por seu irmão ... E esse homem era Yehudah, no início de nossa Parasha.

A história é cativante e apaixonante. Yehudah retorna à terra de seu pai com seus irmãos, e garante a Yaakov que ele cuidará de Benjamin, "único" filho vivo de sua amada Rachel. Era essencial voltar ao Egito com ele; Iosef havia feito o pedido. Caso contrário, Shimon, que havia sido mantido como "refém" no Egito, poderia ser preso para sempre.

Mas de repente, e ao retornar ao Egito, Yehudah começa a ter o pior de seus pesadelos. Benjamin, após um estratagema inventado pelo próprio Iosef, é acusado de roubo e preso.

Yehuda estava com sérios problemas. Em uma dos discursos mais chocantes de todo o texto bíblico, Yehuda implora a Iosef pela libertação do jovem e propõe a Iosef que ele mesmo Yehuda, permaneça escravo em troca da liberdade de seu irmão. Ele sabia que seu pai morreria de tristeza se ele voltasse para Canaã sem ele. Iosef não conseguiu mais se conter. Ele fez com que todos os seus servos saíssem do local, e na frente de seus irmãos revelou sua identidade.

Yehudah, o mesmo Yehudah que anos atrás havia proposto a venda de Iosef, prefere ser escravo pelo resto da vida para que seu irmão fosse libertado. Pela primeira vez em toda a Torá, um homem assume a responsabilidade por seu irmão e, em vez de deixa-lo na reserva, ele "joga" por ele.

Este pacto de amor que é selado entre Yehudah e Benjamin terá suas implicações históricas séculos depois. Das doze tribos de Israel, dez foram perdidas. As tribos de Yehudah e Benjamin foram as únicas que conseguiram sobreviver às perseguições e expulsões a que nós, judeus, somos acometidos desde tempos antigos.

Somos descendentes dessa aliança de amor. Paradoxal, em um povo judeu tão dividido, onde ciúmes, brigas e intrigas estão na ordem do dia.

A única coisa que persiste ao longo das gerações, é a dedicação entre irmãos, e não há nada mais bonito do que isso, como se diz: Hine Ma Tov Uma Naim Shevet Ajim Gam Iachad. Como é boa e bela a convivência entre irmãos. Uma vez que tudo o mais se perde entre os altos e baixos do tempo.