Torá em Português

Parashat Mishpatim

Ir Atrás da Maioria

Tradução de español: David Abreu

“Não vá atrás da maioria para fazer o mal; e não responda num processo indo atrás da maioria para desviar (a justiça)”. (Shemot 23, 2).

A expressão hebraica "Acharei Rabim Lehatot" (Vá atrás da maioria), tornou-se - possivelmente - uma das âncoras bíblicas dos regimes democráticos. No entanto, nossos sábios, de abençoada memória, interpretaram de forma visimelmente livre este versículo, desviando-se da literalidade bíblica.

Muitos são os midrashim (estudos) que abordam este versículo. Há quem diga que a Torá aqui se refere à maneira como a sentença é fixada nos Tribunais Rabínicos; a sentença é fixada de acordo com a opinião da maioria. O RaMbaM diz em sua Mishneh Torá: "Em um Tribunal (Rabínico) em que alguns (de seus membros) dizem" Inocente "e alguns dizem" Culpado ", ele vai atrás da maioria, e este é um preceito positivo da Torá, visto que se diz: "perseguir a maioria" (Hilchot Sanhedrin 8, 1).

No entanto - como eu disse - esse versículo é um tanto problemático porque diz exatamente o oposto do significado que lhe foi dado através das gerações.

A Torá, de acordo com a leitura simples do Texto, está dizendo aqui: "Se você vir a maioria se desviando do caminho, não vá atrás deles só porque eles são a maioria." E ainda este versículo - em sua interpretação livre - foi conferido valor supremo na literatura rabínica.

Uma das passagens talmúdicas que são inspiradas neste pasuk (versículo) da Parashat Mishpatim, é a história da fornalha Achnai (Baba Metzia 59b), na minha opinião uma das histórias mais poderosas do Talmud.

Fala-se de uma disputa acirrada entre o CHaZaL (nossos sábios de abençoada memória) sobre a natureza de um forno de barro. É uma peça que foi seccionada e suas partes recolocadas com areia, adquirindo a forma de uma serpente enrolada (a palavra Achna, em aramaico, é um tipo de serpente). Os Sábios consideravam que tal fornalha poderia atrair impurezas, enquanto Rabi Eliezer a considerava pura.

Rabino Eliezer, cuja opinião não era apoiada por nenhum dos Sábios, começou a trazer sinais sobrenaturais do Céu para apoiar sua opinião. Ele fez com que uma alfarrobeira (tipo de árvore) fosse arrancada do chão, um riacho mudasse seu curso e as paredes do Beit Midrash (Casa de Estudos) se inclinassem, à beira de cair. Finalmente, uma voz celestial veio e apoiou a opinião do Rabino Eliezer.

E ainda assim, a opinião da maioria prevaleceu e a fornalha foi declarada impura de acordo com a opinião dos Sábios. E o Santo Abençoado estava assistindo a cena do alto dizendo: "Meus filhos me derrotaram!"

A disputa sobre o real significado desse versículo da Parashat Mishpatim tem, em minha opinião, um caráter extremamente atual. Eu poderia dizer, pelo menos, que tem um alcance que vai muito além da legislação rabínica.

A democracia não é apenas uma questão estatística de eleições e partidos. Os observadores internacionais que vêm certificar a transparência de um processo eleitoral são um bom começo, não mais do que isso.

A democracia é muito mais do que "perseguir a maioria". Na democracia, os direitos das minorias, a liberdade de expressão, a independência dos poderes devem ser respeitados e, acima de tudo, a democracia deve estar sujeita a um conjunto de normas morais que não estão necessariamente escritas em algum livro ou manual.

O fato de a maioria ter votado no Hamas para governar a Faixa de Gaza transforma esse regime em uma democracia? A maioria pode dar legitimidade a uma organização terrorista?

Infelizmente para muitos - mesmo muitos que não apoiaram ou não apoiaram financeiramente o Hamas - o fato de a maioria os ter elegido seria suficiente.

No entanto, e possivelmente o caso do Hamas é emblemático, o governo da maioria muitas vezes é apenas uma miragem da justiça (Alguém disse que a democracia está frequentemente relacionada à matemática; em ambos o UM ganha força quando muitos Zeros vêm depois).

Desta vez, vou ficar com o comentário de RaSHI, que foi e é o maior comentarista da Torá:

RaSHI diz: "Muitos são os midrashim que foram dados a este versículo; no entanto, eles não correspondem ao seu contexto." E depois de trazer vários desses comentários, RaSHI acrescenta: "E eu digo, no entanto, (ao contrário de nossos Sábios) que o versículo deve ser entendido de acordo com seu contexto, e esta é sua interpretação: Se você viu malfeitores distorcerem a justiça, não diga: "Já que são maioria, irei atrás deles".

Porque muitas vezes a opinião da maioria é apenas uma ilusão do que é correto.