Torá em Português

Parashát BeShalach

Insatisfação

Tradução de español: David Abreu

Em nossa Parashá, os filhos de Israel cruzarão as águas do Iam Suf e levantarão suas vozes em canções, prometendo fidelidade eterna a D'us e Seu projeto celestial.

“Este é o meu D'us e eu o glorificarei, D'us de meu pai e eu o exaltarei” (Shemot 15: 2). “O Eterno reinará para todo o sempre”, dirão na sua hora de maior devoção.

No entanto, depois de alguns dias, não só o mar ficou para trás, mas também a fé e a devoção. Os filhos de Israel caminham pelo deserto de Sin e estão com fome e sede. É difícil manter a fé quando o estômago está roncando ...

Daquele ponto em diante - e até a morte de Moisés, Aarão e Miriam - nada faltaria para os filhos de Israel. Nem comida, nem bebida, nem proteção contra os inimigos e a dureza do deserto.

Nossos Sábios de abençoada memória ensinam:

“Israel tinha três grandes apoios (no deserto): Moisés, Aarão e Miriam. E três bons presentes foram dados através dele, e estes são: O poço (de água que acompanhou os filhos de Israel durante a travessia do deserto), a nuvem e o maná. O poço, pelo mérito de Miriam, a coluna de nuvem, pelo mérito de Aarão, e o maná, pelo mérito de Moisés "(Taanit 9a)

Os Sábios do Talmud descrevem uma situação praticamente ideal em que o Soberano do mundo é ao mesmo tempo - por meio de Seus três emissários - Ministro da Economia, Ministro da Defesa e Ministro do Bem-Estar Social.

Não há necessidade de trabalhar, ou arar o campo, ou semear, ou colher. O Santo Abençoado sabe que não é conveniente fazer os filhos de Israel entrarem na Terra pelo caminho curto:

"E foi quando Faraó enviou o povo, e o Eterno não o conduziu pelo caminho da terra dos filisteus, que era perto ... E D'us fez circular o povo pelo caminho do deserto" (Shemot 13, 17).

Disse o Santo Abençoado: “Se eu os fizer seguir pelo caminho simples, imediatamente cada um tomará posse de um campo ou de uma vinha e se esquecerão da Torá. Eu os farei seguir pelo caminho do deserto e eles comerão do maná e beber as águas do poço e a Torá se estabelecerá em seus corpos (Tanchuma Buber, BeShalach 1).

E apesar de tudo isso, a geração do deserto é o arquétipo da insatisfação. Uma experiência espiritual de quarenta anos falhou em polir as almas daquela geração. E isso é extremamente interessante, especialmente se analisarmos o fato à luz de que nada lhes faltou.

E a pergunta que me pergunto é se somos tão diferentes.

Deixe-me compartilhar uma mensagem que recebi há poucos dias (infelizmente não vou conseguir trazer a tempo a fonte com o nome de seu autor, pois não sei).

Se pudéssemos viajar no tempo e dizer aos nossos ancestrais - aqueles que viveram centenas de anos atrás - que um dia nenhuma água será retirada dos poços, já que teremos torneiras embutidas nas paredes, eles certamente encolheriam os ombros em descrença .

Até farão quando lhes dissermos que hoje em dia não é necessário acender o forno a lenha, pois existem queimadores, fornos elétricos e microondas. Nem é preciso levar roupa suja para o rio, porque em cada casa há uma máquina de lavar, uma secadora, um ferro de engomar, uma geladeira e um freezer.

E o que não temos?

Nesse ponto, nosso ancestral nos olhava incrédulo e dizia: "Quando vier o mashiach, talvez tudo isso seja possível ...".

Mas ainda não terminamos. Ainda precisamos informar que possuímos lâmpadas elétricas, ventiladores e aparelhos de ar condicionado. Relógios, canetas-tinteiro, livros de cores, formas e conteúdos em cada casa, computadores e calculadoras. E então vamos acrescentar: "Mas você sabe vovô ... mesmo assim as pessoas não estão satisfeitas." É aí que o nosso antepassado vai erguer as sobrancelhas e dizer-nos: "Não estás satisfeito ?? !!".

Então diremos: "É isso aí ... eles não estão satisfeitos. Percorrem longas distâncias em trens e ônibus confortáveis, se comunicam com o outro lado do mundo pelo celular, mandam e-mails apertando um botão , e ainda estão amargos e estressados ​​".

Aí o avô reagirá com espanto exacerbado: "Moram no gan eden (paraíso) e ainda por cima reclamam ?? !!".

Na América do Sul costuma-se dizer com cinismo: "O dinheiro não traz felicidade ... a compra!!".

A Torá mostra em nossa Parashá que este "provérbio" tem pouco a ver com a realidade: O sentimento de satisfação, realização e alegria é algo tão complexo que o dinheiro não faz parte disso. Abundância não cria felicidade. Quando se trata de satisfação, a chave - obviamente - está em outro lugar.