Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Chukat

Golpe a golpe, verso a verso

Tradução de español: David Abreu

Parashat Chukat, fala sobre a morte de Miriam, a irmã mais velha de Moshe.

'E os filhos de Israel vieram ... para o deserto de Tzin ... e lá Miriam morreu, e lá ela foi enterrada. E não havia água para a comunidade, e eles se reuniram contra Moshe e contra Aharon '(BeMidvar 20, 1-2).

Não deve ser surpresa que as pessoas estivessem com sede quando Miriam morreu. A figura de Miriam sempre esteve intimamente ligada à água: foi ela quem colocou o pequeno Moshe nas águas do Nilo para salvá-lo do decreto do Faraó; Ela foi a primeira a pegar o pandeiro e cantar a D'us após a milagrosa travessia das águas do Mar de Juncos e, finalmente - durante a travessia do deserto - o povo de Israel foi acompanhado por um milagroso poço de água que estava acampando ao lado deles toda vez que acampavam e fornecia água para todo o Israel.

Nossos Sábios de abençoada memória nos ensinam que este poço de água foi concedido aos filhos de Israel pelo mérito de Miriam (Taanit 9a). O Tosefta (Suká 3, 3) nos conta que o poço “parou” com os filhos de Israel em cada um de seus acampamentos e ficava localizado em frente à Tenda da Reunião. Os chefes das tribos o cercaram com suas varas e tiraram água dele por meio de canções (ver BeMidvar 21, 17-18).

A morte de Miriam marca a morte de uma maneira de extrair água.

À luz desses comentários rabínicos, podemos compreender melhor o episódio de Mei Merivá que se segue à morte de Miriam e que marcará a virada na vida de Moshe (BeMidvar 20, 1-13). A história de Mei Merivá nos mostra que palavras e canções não eram mais eficazes para extrair água das rochas. Após a morte de Miriam, apenas os golpes poderiam trazer água para fora. Moshe atingirá a rocha e nunca poderá entrar na Terra com que tanto sonhou.

A Torá não só nos coloca diante de dois modelos pedagógicos diametralmente opostos (a palavra versus os golpes), mas também diante de duas formas diferentes de resolução de conflitos: qualquer desacordo pode ser resolvido por meio da voz, ou – D`us não permita - por meio de violência.

O poço de Miriam é contado entre as dez criações milagrosas que D'us criou na véspera do primeiro Shabat (Avot 5, 6). Porém, dito bem não é apenas definido como milagroso por ter vagado no deserto próximo ao acampamento de Israel. O milagre se tornou ainda mais visível quando as multidões de nosso povo viram que a música e a voz - não os golpes! - eram a verdadeira fonte de bênção.

Que D'us ilumine toda a humanidade, que se recupere essa percepção.