Torá em Português

Parashat Shoftim

Fundamentalismo de Direita, Esquerda e Religioso

Tradução de español: David Abreu

Na Parashat Shoftim diz, em um de seus parágrafos mais proeminentes:

“Quando uma questão de julgamento for difícil para você ... você se levantará e subirá ao lugar escolhido pelo Eterno, seu D'us. E você irá aos sacerdotes, aos levitas e ao juiz que está naqueles dias e perguntarás e eles falarão a palavra do juízo. E farás de acordo com o que te disserem ... não te desvies do que te dizem, nem para a direita nem para a esquerda "(Devarim 17, 8-11).

Esta última frase se tornou o assunto de muitas discussões na literatura rabínica.

Há quem diga que, de qualquer forma, deve-se prestar atenção aos Sábios. Por exemplo, RaSHI diz com base no Midrash:

(Você fará de acordo com o que o juiz lhe disser) mesmo quando ele disser que a direita é esquerda e a esquerda é direita, e mais ainda quando ele disser que a direita é direita e a esquerda é esquerda (RaSHI para Devarim 17 , 11).

A Mishná traz uma história muito interessante sobre isso (Rosh Hashaná 2, 9):

Rabban Gamliel - que presidia o Sinédrio em Iavne - calculou a lua nova do mês de Tishrei para um determinado dia, enquanto o Rabino Ioshua a estimou para um dia diferente.

Raban Gamliel, exercendo as prerrogativas de seu cargo, ordenou ao Rabino Ioshua que fosse até ele com dinheiro e um cajado no dia em que - de acordo com o cálculo do segundo - fosse Yom Kippur. Depois de muita angústia, o Rabino Ioshua finalmente obedeceu.

Ele pegou seu cajado e moedas e partiu para Rabban Gamliel. Ao chegar, ele o beijou e disse: "Venha em paz, meu mestre e meu discípulo: meu mestre na sabedoria, e meu discípulo porque você aceitou minhas palavras."

No entanto, outras opiniões consideram que não devemos ir atrás das palavras dos Sábios se tivermos certeza de que estão erradas. O Talmud Yerushalmi (Horaiot 1, 1) diz sobre isso:

"É possível que se (os sábios) dissessem que o direito é esquerdo e que o esquerdo é direito que (mesmo assim) você deveria ouvi-los? (Por isso) as Escrituras nos dizem:" Nem para a direita nem para a esquerda. "diga: Somente (você deve ouvi-los) se eles lhe disserem que a direita é a direita e a esquerda é a esquerda." O Talmud Yerushalmi afirma que a opinião dos líderes deve ser avaliada meticulosamente e não deve ser ouvida se for sabido que estão errados.

Essa divergência rabínica é a chave para entender a tensão entre o fundamentalismo judeu ultraortodoxo de um lado e as expressões religiosas judaicas moderadas do outro.

O judeu fundamentalista escuta seu sábio e o dota de uma aura de infalibilidade. Isso é conhecido em hebraico pelo nome de Emunat Hachamim (confiança no julgamento dos sábios). É o princípio que os membros do partido político SHaS usaram (ou ainda usam) quando dizem que só agirão de acordo com a opinião do Rabino. Ovadia. Expressões judaicas moderadas darão ao indivíduo certo poder de veto. Versos no estilo de "não se desvie do que eles dizem, nem para a direita nem para a esquerda" soam - aos ouvidos de muitos - como anacrônicos e em desacordo com a realidade.

Este fenômeno - de agora em diante - ultrapassa as fronteiras do mundo judaico. Podemos ver isso em todos os regimes totalitários, como nos regimes islâmicos fundamentalistas. Bastará que algum cartunista publique uma charge contra o Islã ou que algum Salman Rushdie publique outro romance. Hordas de manifestantes pedirão suas cabeças antes do veredito de algum tribunal religioso.

Essas manifestações de ódio e intolerância estão arraigadas até mesmo nas democracias ocidentais esclarecidas. E para a democracia - por seu turno - é muito difícil combater este tipo de ódio, pois qualquer intervenção possível poderia prejudicar a sua própria essência democrática. Muitos dirão que isso mostra a fragilidade do sistema democrático. Outros - mais pessimistas ainda - dirão que mais cedo ou mais tarde o fundamentalismo prevalecerá e a democracia se tornará uma simples anedota histórica; um sistema que marcou época, mas que já não tem lugar no nosso mundo, como aconteceu com os senhores feudais da Idade Média.

Há alguns anos, quando o presidente do Irã falou na Universidade de Columbia, o então presidente George W Bush foi questionado sobre os limites da democracia. Como é possível que uma das universidades mais renomadas da América permita que um negador do Holocausto exale ódio de seus pódios? Bush respondeu que os Estados Unidos se tornaram uma grande nação, justamente por causa dessa liberdade de expressão.

Essa pode ter sido uma das frases mais precisas que Bush já usou como presidente dos Estados Unidos. A liberdade de expressão, mesmo quando as ideias mais improváveis ​​são expressas em seu nome, não é um sinal de fraqueza, mas de força. Só quem se sente ameaçado e tem baixa autoestima vai perseguir quem pensa diferente. Somente um líder temeroso forçará seus seguidores a pensar como ele.

Em particular, tenho orgulho de ser um rabino em uma congregação que não me ouvirá se eu disser em quem votar ou como pensar. Não me sinto fraco por isso.

Acredito no indivíduo e na autonomia de seu pensamento e entendo o Rabinato como um guia e não como uma liderança militar infalível.

Eu abomino manipulações, lavagem cerebral e imposições religiosas à força. Não só isso. Eu acredito que o fundamentalismo judaico é a maior ameaça que pairará sobre nosso povo nas próximas décadas ... maior ainda do que a assimilação.

Confio no julgamento do indivíduo para escolher seu caminho. Não considero isso arriscado ou que leve à anarquia; o mundo sempre tende ao equilíbrio (o século XX mostrou repetidamente como é perigoso quando o critério está nas mãos de apenas um e os demais o seguem como rebanho).

Se um judeu deseja saber a diferença entre "esquerda e direita", não há problema em perguntar a seu guia, seu rabino. Mas se ele não perguntar a ele, o rabino deve aprender a respeitar seu silêncio.

Nossos sábios já ensinaram: o silêncio protege a sabedoria (Avot 3, 17).