Torá em Português

Parashat Lech Lecha

Estrelas e Cometas

Tradução de español: David Abreu

Quando pensamos na Parashat Lech Lecha, a figura de Abraham Avinu deixando a casa de seu pai e indo para a terra de Cnaan imediatamente nos vem à mente. No entanto, a Parashá dedica várias passagens a Lot (Ló), sobrinho de Abraão, que também deixou sua casa paterna com seu tio.

O que chama a atenção é analisar o quão diferente foi o destino de ambos, já que vieram de mundos tão semelhantes.

Enquanto Abraão se torna o pai dos hebreus, o outro fica bêbado com suas filhas e gera Moav e Amon (ver Bereshit 19, 36-38).

Enquanto Abraão se torna uma fonte de bênçãos, o outro vai morar em Sedom e Amorá (Sodoma e Gomorra) para viver cercado de malandros e criminosos.

Enquanto Abraão é lembrado por metade da humanidade por mais de quatro mil anos, o outro ninguém se lembra dele.

Dois seres que vieram da mesma família e do mesmo universo de valores são transformados com a passagem da Parashá em dois seres diametralmente opostos, devido às suas próprias ações e decisões de vida.

Alguém uma vez me disse que a humanidade pode ser dividida em duas: há pessoas 'Estrelas' e pessoas 'Cometas'. Os ‘Cometas’ passam. Eles mal são lembrados pelas datas que passam e voltam. As 'estrelas', por outro lado, permanecem para sempre.

Existem muitas pessoas ‘Cometa’. Passam pela vida apenas por alguns momentos; Não cativam ninguém e ninguém as cativa. São pessoas que não deixam rastros, que só têm alguns momentos de esplendor e depois partem. São pessoas que passam a vida sem luz, sem aquecer, sem marcar presença.

Mas existem algumas pessoas 'Estrelas'. Pessoas que marcam presença, que são luz, calor e vida. Os anos podem passar, as distâncias podem surgir, mas eles estão sempre lá, deixando sua marca.

Não foi por acaso que Deus pediu a Abraão que fosse lá fora e contasse as estrelas. Geralmente relacionamos as estrelas apenas com o aspecto numérico. E é verdade, Deus promete a Abraão uma descendência tão numerosa quanto as estrelas do céu.

Mas, ao mesmo tempo, a promessa de Deus é um convite para nos transformarmos em estrelas, como Abraão.

E trazer e reluzir nossa virtude, nossa essência aflorar, para dar calor, luz e vida por meio de nossas decisões, nossas ações e nossos exemplos. Para ser aquele que passa pela vida. E não a vida que passa por nós.