Torá em Português

Parashat Ekev

Estrangeiros

Tradução de español: David Abreu

A Parashát Ekev menciona um dos preceitos mais difundidos da Torá. Não estou me referindo à cashrut (leis de alimentação), nem às leis de pureza da família, nem aos cuidados com o Shabat. A Torá, em nossa Parashá, menciona mais uma vez o imperativo de amar o estrangeiro.

"Fazei justiça ao órfão e à viúva, e amai o estrangeiro, dando-lhe pão e roupa. E amarás o estrangeiro, porque fostes estrangeiros na terra do Egito" (Devarim 10:18).

Este preceito é lembrado não apenas aqui, mas é formulado de maneiras diferentes trinta e seis vezes ao longo do texto bíblico.

Já a Guemara se pergunta (Baba Metzía 59b): Por que razão a Torá nos avisa 36 vezes sobre este preceito?

Rabino Natán nos responde: "Não mencione seu (próprio) defeito ao seu companheiro." O Rabino Nathan nos ensina que se um judeu zomba, humilha e maltrata um estrangeiro, ele está de fato se tornando o principal destinatário de seus próprios maus-tratos. A "falha" da qual você zomba é a sua própria "falha". O judeu também soube ser estrangeiro em terra estrangeira.

Quando um homem chega à conclusão de que seu próprio ancestral sofreu humilhação, o grau de empatia para com os desprotegidos é aumentado. Se você entende que seu próprio pai lutou com a sociedade para encontrar refúgio e abrigo, então a maneira como você vê o mundo muda drasticamente.

Há alguns anos, quando visitei Israel pela primeira vez, fiquei surpreso ao ver que versículos bíblicos como "Mi-Pnei Seiva Takum Ve-Hadarta Pnei Zaken" ("Diante dos cabelos grisalhos você se levantará e honrará o rosto de o velho ") (VaIkrá 19, 32) foram integrados à sinalização do transporte público de passageiros. A ideia de incorporar um versículo escrito há milhares de anos em um veículo do século XX me atraiu muito.

Talvez hoje, quando muitos ainda se recusam a responder ao sofrimento dos refugiados e quando os trabalhadores estrangeiros (e muitas vezes também os olim chasdashim) recebem um tratamento humilhante e ultrajante de certos setores de nossa sociedade, isso poderia ser integrado em versos de sinalização urbana no estilo de "Ve-Ahavtem Et Ha-Guer" ("E você amará o estranho"), para não esquecer que também éramos estrangeiros na terra do Egito.