Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Balak

Essa é a diferença!

Tradução de español: David Abreu

O Midrash (BeMidbar Rabba 20, 4) conta que, vendo Israel se aproximando, os moabitas foram perguntar a seus vizinhos midianitas sobre a personalidade de Moshe.

Moabe sabia que Moshe Rabbenu crescera em Midiã. É precisamente por esta razão que as informações fornecidas por Midian são cruciais para o desenvolvimento de nossa Parashá.

Os anciãos de Midiã informaram aos moabitas que a força de Moshe estava em sua palavra. E foi assim que Balak, rei de Moabe, decide lutar no "terreno forte" de Moshe e contrata Bilam, o feiticeiro, um homem dotado de um espírito profético e o dom da palavra, para amaldiçoar e derrotar o povo de Israel.

"Eu sei que aquele que você abençoa é abençoado, e aquele que você amaldiçoa é amaldiçoado" (BeMidbar 22, 6) Balak enviou o feiticeiro a fim de tentar realizar seu plano.

Há um aspecto da Parashá que poderosamente chama a atenção.

A primeira vez que Bilam é chamado para ir a Balak, D'us impede de viajar. No entanto, depois de um tempo, quando o rei moabita o chama pela segunda vez, D'us o deixa ir.

O que fez D'us mudar de ideia?

O Rabino Shimon Schwab traz uma explicação muito lúcida para explicar essa mudança.

Na primeira vez, explica o rabino Schwab, os mensageiros não ofereceram a Bilam qualquer compensação por seus serviços. Esta teria sido uma maldição extremamente perigosa e poderosa. Seria a maldição altruísta de um homem que não busca recompensa na execução de seu plano.

A segunda maldição, não foi assim. Lá, os mensageiros já oferecem dinheiro e honras a Bilam em troca de seu trabalho. Quando há dinheiro envolvido, o poder da maldição não é mais o mesmo. Deixaria de ser uma ‘maldição ideológica’ para se tornar uma mera prestação de serviços. Bilam, ele faria isso por amor ao dinheiro, ao invés de desprezo por Israel. É por isso que D'us o deixa ir lá ...

O fogo das convicções ideológicas é um dos motores mais poderosos que a humanidade possui. Os atos mais nobres e selvagens da história da humanidade foram realizados por homens alimentados por aquele fogo. Um homem de ideias firmes, que age motivado por sua ideologia e não por interesses espúrios, deixa de ser inofensivo.

Essa é a diferença!