Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Balak

Enfrentados

Tradução de español: David Abreu

E Moisés, o servo do Eterno, morreu ali; na terra de Moabe, conforme a palavra do Eterno. E o sepultou no vale, na terra de Moabe, defronte de Bete-Peor; e nenhum homem soube o local de seu sepultamento até hoje (Devarim 34, 5-6).

Nos versos finais da Parasht Balak, a Torá narra o pecado de Baal Peor.

"E Israel foi entregue a Baal Peor, e a ira do Eterno se acendeu contra Israel ... E vinte e quatro mil morreram dessa praga" (Be-Midbar 25, 3; 25, 9).

O trágico resultado deste evento é extremamente impressionante.

Na aparência, o episódio de Baal Peor é um apêndice da Parashat Balak que serve como uma introdução a Parashat Pinchas. Mas se você olhar as estatísticas nítidas, verá que o pecado de Baal Peor é imensamente mais sério do que o pecado do bezerro de ouro. Nisto, a Torá nos diz, a ira de Deus causou três mil vítimas (Shemot 32, 28), enquanto em Baal Peor, a ira divina ... foi multiplicada por oito! (Vinte e quatro mil).

Por que esse episódio é tão sério?

RaSHI, em seu comentário sobre Bamidbar (comentário sobre Bamidbar 25, 3) nos ensina a maneira repugnante como essa antiga divindade era servida: O povo adorava Baal Peor defecando na frente dele (ver também Sanhedrin 60b).

O Rabino Yehuda Amital Z "L analisa a seriedade deste pecado à luz deste comentário de RaSHI.

Existe uma ideologia ostensivamente presente em nossos dias - diz o Rabino - que afirma que tudo o que é natural é bom. Segundo essa ideologia - que em nosso caso está claramente relacionada à idolatria - não há nada de errado em defecar diante de uma estatueta. Por que deveria ser se é algo natural que - finalmente - iguala todos os mortais? E se for natural ... é bom!

A Torá se opõe veementemente a essa ideologia. Na verdade, já nos primeiros capítulos da Torá, vemos como Adão e Eva cobrem sua nudez após saborear o fruto proibido. O que há de errado em estar nu? Finalmente, é assim que todos nós viemos ao mundo! É natural! No entanto, o primeiro ato "humano" de Adão e Eva - após a ingestão da fruta - foi cobrir sua nudez.

Não surpreendentemente, os cabalistas sugerem que a palavra hebraica בראשית (Bereshit, no início) contém as mesmas letras que a palavra ירא בשת (Iré Boshet, a vergonha que leva ao temor de Deus).

O homem foi criado para se elevar acima da natureza, não para reverenciá-la. Para consertar o mundo natural, não para deificá-lo.

Abraham Ieoshúa Heschel em seu livro "O homem não está só" diz que "as religiões podem ser classificadas em três grupos: as da auto-satisfação, as da auto-anulação e as da comunidade. Nas primeiras, a religiosidade é uma busca pela satisfação de necessidades pessoais, como a salvação ou o desejo de imortalidade. No segundo, todas as necessidades pessoais são deixadas de lado e o homem tenta dedicar sua vida a Deus à custa de anular todos os seus próprios desejos, na crença de que o sacrifício humano, ou pelo menos a abnegação total é a única forma autêntica de servir a Deus. A terceira forma de religião, embora rejeite a ideia de considerar Deus como um meio para atingir fins pessoais, afirma que existe uma parceria entre Deus e o homem, que as necessidades humanas são preocupação de Deus e que os fins divinos devem se tornar necessidades humanas. "

Isso explica em grande parte o confronto da Torá com o culto de Baal Peor, que - segundo o esquema de Heschel - pertenceria a este primeiro tipo de religião.

No entanto, este antagonismo entre a Torá e o culto de Baal Peor não é apenas sugerido no início da Torá (ברשאית, ירא בשת), mas também no final.

Quando na Parashat Vezot Habrachá a Torá fala sobre o sepultamento de Moshe nos diz que Deus "o enterrou em um vale, na terra de Moabe, em frente a Beth-Peor" (Devarim 34, 6).
O profeta, aquele que viu Deus face a face, aquele que desceu do monte com a palavra de Deus nas mãos, está sepultado diante do local desse ritual asqueroso e "natural".
Possivelmente, o túmulo de Moshe apenas confirma o fato de que não há outra força na Torá que esteja mais em seus antípodas do que o culto de Baal Peor.
Moshe e a Torá de um lado, e em frente a Baal Peor e seu culto repulsivo.
De Bereshit a Vezot habrachá.