Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Korach

Dois reis e uma coroa

Tradução de español: David Abreu

A Parashat Korach é uma das minhas porções favoritas. Suponho que é porque tem uma mensagem muito atual e mostra, acima de tudo, que a especulação política e a demogogia existem desde que o mundo é mundo.

A disputa entre Korach e sua assembléia, descrita em detalhes em nossa porção, é na verdade uma manobra perversa resultante dos desejos políticos de um homem perigoso. Korach lidera uma rebelião popular contra a liderança de Moshe e Aharon, apresentando argumentos que parecem ter um passado "democrático".

"E eles se reuniram contra Moshe e contra Aharon, e disseram a eles: É o suficiente para vocês! Porque toda a comunidade, eles são todos santos, e entre eles está o Eterno. Por que você se eleva acima da congregação do Eterno? " (BeMidbar 16, 3). No entanto, o objetivo de Korach é semear as sementes da anarquia nas pessoas. Frases como "Somos todos santos" não podem ser outra coisa senão a manipulação populista de um homem que entende a natureza dos espíritos populares. Korach é um grande demagogo que sabe explorar e capitalizar sobre a incerteza do povo em busca de seus próprios interesses.

Na leitura da Torá da semana passada, nos lembramos do decreto que nossos ancestrais sofreram para vagar pelo deserto por quarenta anos. Toda aquela geração foi condenada a vagar por quatro décadas sem caminhar para lugar nenhum, e Korach percebeu que aquele era um momento excelente para minar a liderança de Moisés.

Mas o ponto principal desta história é que todos os argumentos de Korach são baseados em uma mentira. Korach está convencido de que Moshe deve compartilhar a liderança com ele. Mas a democracia não é apenas uma questão de igualdade, mas também o reconhecimento da autoridade do governante.

Deixe-me sugerir uma comparação: qualquer pessoa que aprendeu a dirigir em uma Auto Escola sabe o que é um carro de comando duplo. Nesses carros, a pessoa que está sentada ao lado do motorista também tem a possibilidade de acelerar e frear o carro. Porém, mesmo em um sistema tão complexo, há algo nesses veículos que não é duplo: o volante! Apenas uma pessoa pode decidir se deve virar à direita ou à esquerda. Dois motoristas não podem dirigir o mesmo veículo ao mesmo tempo.

Uma regra haláchica bem conhecida afirma que "duas vozes não podem ser ouvidas juntas" ("Trei Kalei La Mishtamaei"). Por esta razão, por exemplo, duas pessoas não podem ler a Torá ao mesmo tempo. No que diz respeito às políticas governamentais, algo semelhante acontece. Um governador pode pedir conselhos e obter conselhos de colaboradores (ou mesmo opositores), mas ao executar uma decisão, apenas uma voz deve ser ouvida. Um líder pode compartilhar tudo ... exceto o volante.

Rabino Shimon ben Pazi aponta no Talmud (Julin 60b) uma aparente contradição entre duas partes do mesmo verso no livro de Bereshit (1, 16). Um versículo diz: "E Deus fez as duas grandes luzes", e imediatamente depois está escrito: "A luz maior ... e a luz menor."

Se ambos fossem "grandes" ... por que um é o "maior" e o outro o "menor"?

Conta-se uma lenda que explica essa contradição:

A princípio, conta a Guemara, o sol e a lua eram semelhantes em aparência e tamanho. Mas um dia, tomada de ciúme, a lua apareceu diante da presença divina e disse: "Soberano do mundo! ... Podem dois reis usar a mesma coroa?" Foi então que D'us ordenou que a lua encolhesse e mudasse sua aparência.

Korach cometeu um erro semelhante ao da lua. Apenas um pode usar a coroa.