Torá em Português

Parashat Lech Lecha

Deus, Luzes e Sombras

Tradução de español: David Abreu

Quando o escritor português José Saramago apresentou o seu livro "Caim" em 2009, gerou comoção na imprensa mundial. Ele declarou então que a Bíblia é "um livro de maus hábitos" e que "o Deus da Bíblia não é confiável, ele é uma pessoa má e vingativa".

Segundo o romance de Saramago, o desejo real de Caim era matar Deus, pois Deus lhe havia dado as costas. Incapaz de fazer isso, ele decidiu assassinar seu irmão.

“A humanidade seria diferente sem a Bíblia. Certamente melhor”, concluiu Saramago.

Os argumentos de Saramago não são novos. Muitos argumentam que o mundo seria muito melhor sem as religiões.

É verdade que as religiões têm sido a causa de ódio e derramamento de sangue ao longo da história. Mas não é menos verdade que as religiões - quando interpretadas corretamente - têm sido o motor de um fluxo infinito de amor e exemplos de dedicação por parte de seus fiéis (Infelizmente, a maior parte da humanidade tem "religião" suficiente para odiar, mas não o suficiente para amar).

Voltando ao Judaísmo e à Bíblia Hebraica, um esclarecimento ainda pode ser feito.

Nós, judeus, não lemos a Torá exceto por meio de seus comentaristas.

Certas passagens da Torá escrita - em seu extremo - podem ser extremamente duras. Mas nós, judeus, não lemos a Torá literalmente. Os comentaristas de cada geração foram responsáveis ​​por encontrar a Voz Divina no Texto para que ela conserve sua relevância ao longo dos séculos.

Saramago não é o primeiro a "assustar-se" ao ler a Torá literalmente. Isso tem acontecido há séculos, mesmo dentro do povo judeu. Exegetas bíblicos têm confrontado a literalidade da Torá desde os tempos antigos. Autoridades rabínicas de renome, que fazem parte da espinha dorsal de nosso povo, têm sabido interpretar a letra escrita com criatividade e originalidade, de modo que reflita o sistema de valores vigente em cada lugar e geração.

Na Parashat Lech Lecha, Deus se dirige a Abraão e anuncia a mudança de seu nome.

"Você não será mais chamado de Abrão, o seu nome será Abraão (אברהם)" (Bereshit 17, 5). Alguns versos a seguir, Deus também anunciará a mudança de nome de sua esposa Sara. “Sarai, tua esposa, não deves chamar seu nome de Sarai, porque Sara (שרה) é o nome dela” (17, 15).

De acordo com o Talmud, a mudança de nome de nosso patriarca e de sua esposa afetará seus destinos. Prova disso é que, após a mudança, Abraão e Sara desfrutarão da bênção da paternidade, algo que até então privado a eles como casal (Rosh Hashaná 16b).

No entanto, é possível que esses novos nomes representem uma verdadeira revolução teológica.

Pela primeira vez, Deus, por Sua própria Vontade, decide pegar uma das letras de Seu Nome Sagrado (a letra ה ') e adicioná-la aos nomes de dois mortais.

Deus, por meio dessa alteração, anuncia ao mundo que Ele deseja se apegar ao bem e aos que têm atributos nobres, como foi o caso de Abraão e Sara. Para aqueles que irrigam o mundo com sangue e violência em nome de Deus e da religião - qualquer religião - Deus infalivelmente virará as costas.

Há um comentário rabínico poderoso a respeito da criação da luz e das trevas.

Ao serem estes criados - no primeiro dia da criação - a Torá nos anuncia: "E Deus chamou a luz de 'Dia', e as trevas de 'Noite'" (Beresheet 1, 5).

Nossos sábios perguntam no Midrash: Por que diz "E Deus chamou a luz de 'Dia'" "e as trevas chamaram de 'Noite'? Ele não deveria dizer "e as trevas chamaram de Deus ‘Noite’"? Onde está Deus ao criar as trevas?

Nossos Sábios concluem: EIN HAKADOSH BARUCH HU MEIACHED SHEMO AL HARAA (Deus nunca unirá Seu Nome com o mal), portanto, ao falar das trevas, Deus prefere se afastar e ficar de lado (Bereshit Rabba 3, 6).

Os comentaristas bíblicos ensinam que na milenar batalha entre o bem e o mal, a paz e a discórdia, ou entre a luz e as trevas, Deus nunca será um mero espectador.

Deus - à luz dos nossos Sábios - está longe de ser um Ser cruel, vingativo e sanguinário, como afirma Saramago.

Deus nunca olha de lado.

Deus não é neutro. Ele sempre se apegará ao que é bom, assim como acrescentou Sua essência ao nome de nosso patriarca Abraão e de nossa matriarca Sara.