Torá em Português

Parashat Ki Tisá

Decisões com Eco

Tradução de español: David Abreu

A história é uma sucessão de eventos encadeados; uma série de causas e efeitos. E isso acontece com as pessoas e até mesmo com nossas próprias histórias de família.

Não é por acaso que meu pai trabalhou há mais de trinta anos em uma fábrica têxtil na Argentina. Ele fez isso porque seu pai já trabalhava com tecidos e teares na Polônia. E meu bisavô, por sua vez, também herdou esse comércio do próprio pai.

Não é por acaso que sou a primeira geração da minha família paterna - em mais de cento e cinquenta anos! - que NÃO tem fábrica têxtil. Meu avô veio da Europa para a Argentina sem saber que, cinquenta depois de sua chegada, manter uma fábrica naquele país seria uma façanha semelhante a lançar um ônibus espacial ao espaço.

E o que isso tem a ver com a Torá?

Três mil e quinhentos anos atrás, um homem subiu uma montanha por quarenta dias para receber as Tábuas da Lei. Um povo impaciente esperava por ele lá embaixo e, acreditando que seu líder nunca voltaria, teve a ideia espirituosa e infeliz de construir um bezerro de ouro para substituir seu líder que demorava voltar.

Apenas uma das tribos - a tribo de Levi - permaneceu fora desta empresa. E essa virtude foi mais tarde recompensada com o privilégio de acompanhar a adoração a D'us no mishkan (o Tabernáculo) e depois no Beit HaMikdash (o Templo de Jerusalém).

Desta tribo (e não de outra) surgem os kohanim, os sacerdotes designados para o serviço de D'us.

Em nossa Parashá, podemos ver que há um desequilíbrio notável na distribuição de aliot (subidas para leitura) na Torá. A primeira aliá tem quarenta e cinco versos e a segunda quarenta e sete. As próximas cinco aliot são surpreendentemente mais curtas, algumas delas com apenas cinco versos. Ou seja, a primeira e a segunda aliá da Parashá cobrem dois terços da seção semanal, que contém cento e trinta e nove versos.

Este detalhe tem alguma explicação?

Possivelmente, a razão é que os sábios de Israel distribuíram as aliot de tal maneira que fosse precisamente um Levi quem leria a segunda aliá, na qual somos informados sobre o pecado do bezerro de ouro.

Uma anedota conta que Rabi Shimon, um jovem Rabino, visitou o famoso Rabino Israel Meir HaCohen (mais conhecido como Chafetz Chaim, autor da Mishná Brura) durante um Shabat.

A certa altura durante aquele Shabat, o Rabino Israel Meir perguntou ao jovem Rabino se ele era Cohen ou Levi.

Rabi Shimon disse-lhe que não, era Israel, ao qual o Chafetz Chaim (que era Cohen) disse sem rodeios: "Em breve o Templo será reconstruído e todos os judeus irão para ele. Um guardião irá encontrá-lo na porta e fazer a mesma pergunta que eu fiz a você (você é Cohen ou Levi?). É uma pena Rav Shimon que você seja Israel, já que o guardião só permitirá a entrada de cohanim e leviim; você vai ficar de fora como todo mundo ... ', disse o Chafetz Chaim com antipatia.

“Você sabe por que você não é Cohen?” Ele perguntou ao Rabino Shimon. O Rabino Shimom respondeu ao óbvio: "Não sou um Cohen porque meu pai não era um Cohen!"

"E você sabe por que seu pai não era um Cohen?"

Rabi Shimon entendeu então que o Chafetz Chaim não estava se referindo a uma questão de linhagem; ele entendeu que por trás dessa questão havia um ensinamento muito mais profundo.

Então o Chafetz Chaim continuou: 'Você sabe por que meu pai ERA um Cohen e seu pai NÃO ERA um Cohen? Porque milhares de anos atrás, quando Moshe desceu da montanha, viu o bezerro e perguntou "Meu LaHaShem" (Quem está do lado de D'us?), Meu avô respondeu ao chamado, e o seu NÃO. "

O Chafetz Chaim - espero que você tenha entendido isso - não estava se "gabando" de sua linhagem com a intenção de humilhar seu convidado. Ele estava dizendo que há decisões na vida que afetam as gerações futuras.

Decisões-chave, que muitas vezes tomamos levianamente pensando que elas só terão impacto sobre nós, sem levar em conta que também terão uma marca nas gerações futuras.

O Levi que ascender à Torá neste próximo Shabat receberá esta honra pela simples razão de que seu avô sabia como ficar fora do fervor popular que levou à construção do bezerro.

Quando falamos sobre decisões que deixam marcas, estamos falando sobre nós mesmos e nossas próprias histórias. Estamos falando sobre a educação judaica e a centralidade que atribuímos a ela em nossas vidas. Estamos falando sobre nosso apego aos valores morais que emanam de nossa Torá. Estamos falando sobre nosso egoísmo e miopia que muitas vezes nos ataca e nos impede de olhar além de nosso nariz.

Isso também terá um impacto nas gerações futuras, porque nossas decisões - as certas e as erradas - têm eco por centenas de anos.

Lembro-me de um dos dias mais tristes da minha vida.

Eu tinha 12 anos quando meus pais decidiram que o colégio que escolhi frequentar junto com todos os meus amigos "não era para mim". Desde os meus primeiros oito anos, quis ser arquiteto e frequentar uma escola com essa especialidade.

Meus pais, por razões desconhecidas na época, decidiram que meu futuro estava em uma escola judaica no centro de Buenos Aires, onde 90% dos alunos eram ... alunas.

Eu chorei a noite toda. Eu não tinha amigos lá, meus amigos zombavam de mim dizendo que eu estava indo para uma escola para meninas. Mas, principalmente, chorei porque queria ser arquiteto ... não estudar Judaísmo! Só hoje, depois dos 40, pude entender como foi justificada a decisão de meus pais e quantas implicações isso teve em minha vida. Não fosse por essa decisão, hoje provavelmente seria mais um arquiteto desempregado dirigindo um táxi pelas ruas de Buenos Aires.

Se não fosse pela decisão dos meus pais, no próximo sábado às 5 da manhã eu estaria terminando meu turno da noite com o táxi e outro rabino estaria escrevendo esta coluna semanal Parashat HaShavúa.

Mas, como você sabe, as coisas não funcionam assim. A história é uma sucessão de eventos encadeados; uma série de causas e efeitos. E em vez de dirigir meu táxi, hoje sou um rabino da Kehilat Netzach Israel na cidade de Ashkelon (Israel).

Certas decisões têm eco para toda a vida.