Torá em Português

Parashat Toldot

Decepção Paterna

Tradução de español: David Abreu

A Parashat Toldot relata em suas primeiras linhas o nascimento de Yaakov e Esav.

A gravidez de nossa matriarca Rivka - de acordo com a Torá - não foi fácil. Os gêmeos lutaram no útero durante grande parte de sua gestação.

O nascimento, finalmente, gerou uma dinâmica familiar particular: Yitzhak Avinu está afetuosamente ligado a Esav (o mais velho dos irmãos) enquanto Rivka mostra uma preferência marcante por Yaakov.

"E Yitzchak amava Esav, pois ele caçava (tinha) em sua boca; e Rivka ama Yaakov" (Bereshit 25, 28)

O rabino Ishaia Halevi Hurvitz explica este versículo de uma forma altamente original:

O amor de Yitzchak por Esav dependia de um fator externo. Nossos sábios dizem sobre isso: "O amor interesseiro morre quando o interesse não existe mais" (Avot 5, 17). Quando a razão para o amor desaparece, ele morre e se torna uma parte constitutiva do passado.

Portanto, a Torá diz: "E Yitzchak amava Esav." Ele fala no pretérito porque esse amor dependia da caça que estava em sua boca; foi um amor passageiro e momentâneo.

Diante disso, o amor de Rivka por Yaakov nunca morreu porque não dependia de nenhuma causa. Por esta razão, está escrito no presente: "E Rivka ama Yaakov." Ela ama Yaakov o tempo todo, porque seu amor não depende de fatores materiais. Um amor independente de interesses externos, dura até a eternidade.

Há um episódio na biografia de Esav que muitas vezes é esquecido ao analisar seu vínculo com seus pais e irmão. No final do capítulo 26 do livro de Bereshit, a Torá nos diz:

"E Esaú tinha quarenta anos e casou-se com Yehudit, filha de Beri, o chiteu, e Basmat, filha de Eilon, o chiteu.

É impossível entender completamente o episódio narrando a continuação - a bênção de Yitzchak a Yaakov - se esses dois versos não forem levados em consideração.

Quando Yitzchak estava prestes a abençoar Esav, sua predisposição era negativa. As mulheres escolhidas por Esav - de acordo com o Rabino Ishaia Halevi Hurvitz - foram o ponto em que o amor de Yitzchak por seu filho morreu. Sua decepção foi suprema.

Normalmente, quando analisamos o famoso truque de Yaakov para receber a bênção paterna - tendemos a imaginar Yitzchak como um velho cego frágil enganado por seu filho.

A história é conhecida. Rivka, sabendo que Yitzchak estava se preparando para abençoar Esav, propõe a Yaakov um truque: vestir uma pele de cabra para fingir ser seu irmão e receber a bênção de Yitzchak.

Yitzchak rapidamente entende que algo estranho está acontecendo diante de seus olhos deteriorados. Então ele decide procurar por Yaakov, usando os demais sentidos que estavam funcionando corretamente.

O Gaon Rabino Ionatan Eibshitz de Praga costumava dizer:

Quando um homem perde a visão, ele deve explorar totalmente seus quatro sentidos restantes para compensar a falta deste.

Sobre Yitzchak Avinu, lemos: "e seus olhos escureceram de ver" (Bereshit 27, 1). E já que ele havia perdido sua visão, ele aumentou a ação de seus sentidos restantes para reconhecer seu filho Esav com as mãos. Primeiro, ele agiu por meio do toque, dizendo: "Aproxime-se, por favor, e eu vou sentir você, meu filho" (Bereshit 27, 21). Então ele prestou atenção em seu ouvido e disse: "A voz é a voz de Yaakov" (Bereshit 27, 22). Terceiro, ele se serviu de seu paladar, dizendo: "Venha a mim e comerei" (Bereshit 27, 25). Finalmente, ele usou seu nariz: "e ele cheirou o cheiro de seus vestidos" (Bereshit 27, 27).

Hoje, sabe-se que as pessoas cegas desenvolvem habilidades auditivas, táteis e intuitivas em um grau muito maior do que as pessoas com visão. Uma pessoa cega pode sentir uma moeda e reconhecer seu valor.

Como realmente pensar que Yaakov conseguiu enganar Yitzchak?

Um cego não sabe que a pele de cabra tem textura diferente da pele e do cabelo humano?

Hoje se sabe que um cego não precisa ver as cores para distinguir entre o sabor de um vinho branco semi-seco e o de um vinho tinto Cabernet Sauvignon.

Como acreditar que Yitzchak não conseguia distinguir entre o sabor da comida que Esav costumava preparar para ele, da comida que Yaakov servia preparada por Rivka?

É inimaginável acreditar que Yaakov conseguiu enganar seu pai.

Yitzchak, na minha humilde opinião, sabia quem estava diante dele e - como resultado da decepção sofrida ao ver as mulheres escolhidas por Esav - decide abençoar o mais novo dos gêmeos.

Esav é o primeiro dos descendentes de Abraão, que toma como esposas as mulheres Canaanitas. Não apenas seu pai, Yitzchak, olhou para essa escolha sob uma luz ruim. Lemos na Parashat Chaiei Sara que Abraham Avinu advertiu seu servo Eliezer para não tomar uma esposa para Yitzchak das filhas dos Canaanitas, enviando-o a Aram Naaraim (ver Bereshit 24, 3-4).

No início do capítulo vinte e oito, Yitzchak selará sua bênção a Yaakov, enviando-o a Paddan Aram e avisando-o também para não tomar mulheres Canaanitas. A viagem de volta para Betuel também o salvaria da vingança e da espada de seu irmão.

Esav, ouvindo o conselho paterno e vendo que os Canaanitas eram maus aos olhos de seu pai, decide remediar sua escolha tomando a filha de Ismael, Machalat, como sua esposa (Bereshit 28, 9).

O que mostra que Esav não foi apenas apressado para escolher, mas também lento para reagir.