Old Hebrew Prayer Book

Parashat Tzav

Dar por dar

Tradução de español: David Abreu

A Parashat Tzav passa a descrever a ordem dos sacrifícios, como já mencionado em Parashat Vaikrá que lemos na semana passada. Hoje gostaria de me referir a um deles, que é o chamado sacrifício de ação de graças (korván todá).

O korvan todá era um sacrifício de gratidão a D'us, que era oferecido por aqueles que sobreviveram a uma situação perigosa (essa prática é a origem bíblica do Birkat HaGomel que é dito até hoje nas sinagogas).

É difícil ser grato. A apreciação não é natural para a maioria das pessoas. A capacidade de agradecer anda de mãos dadas com o reconhecimento de que algumas coisas na vida chegam até nós sem realmente merecê-las.

Tal é o caráter desta oferta que nossos sábios disseram sobre ela (Vaikrá Rabba 9, 7):

LeAtid Lavo, Kol HaKorbanot Betelin, VeKorban Toda Eino Vatel; Kol HaTefilot Betelot, HaHodaá Eina Betela.

(No final dos dias, todos os sacrifícios devem ser cancelados, menos o sacrifício de ação de graças; todas as orações devem ser canceladas, exceto a oração de agradecimento.)

Por que esta oferta é tão especial?

O famoso Magid de Duvno costumava esclarecer essa questão por meio de uma parábola.

Era uma vez um pobre e infeliz alfaiate que morava em terras polonesas. Nos dias de frio e neve, ele costumava vagar pelas aldeias polonesas em busca de um emprego que lhe permitisse levar um pouco de comida para seus entes queridos.

Num dia gélido de inverno, o alfaiate foi à casa de um judeu rico de quem pediu trabalho. A esposa daquele judeu, que sentiu compaixão por aquele pobre homem, tirou uma sacola de roupas velhas de um baú e deu para o alfaiate sentar e remendar.

O alfaiate sentou-se e rapidamente entendeu o motivo da mulher. As roupas eram velhas, mas estavam intactas. Muito não tinha o que fazer com eles.

O alfaiate lamentou profundamente, principalmente pela tempestade de neve implacável que podia ser vista através das janelas da casa. O forno a lenha esquentava o ambiente e um prato de comida quente o aguardava na beira da mesa. Só um louco sairia daquela casa em tal situação.

O alfaiate olhou para os lados e - ao ver que não havia ninguém à sua volta - tirou uma tesoura das mãos e começou a cortar as costuras das peças.

Quando o dono da casa viu o "desastre" que aquele pobre costureiro havia causado, ameaçou jogá-lo na rua. Porém, o alfaiate implorou chorando: “Vou consertar tudo que estraguei!”, Disse. "Farei isso de tal forma que ninguém jamais perceberá o que aconteceu." Desta vez, foi o dono da casa que aceitou compassivamente a proposta do homem.

Após algumas horas de trabalho, e vendo que todas as roupas estavam remendadas, o dono da casa despediu-se calorosamente do alfaiate, entregando-lhe algumas moedas para a viagem.

Alguém poderia alegar que aquelas moedas foram dadas a ele como pagamento por seu trabalho? Não havia trabalho aqui !! O alfaiate consertou o que ele próprio destruiu!

Da mesma forma - diz o Magid de Duvno - aconteceu com todos os sacrifícios, com exceção do sacrifício de ação de graças.

O Midrash (Tanchuma, Tzav 7) nos ensina que todas as ofertas vêm para corrigir algo que deterioramos, com nossas próprias mãos. O sacrifício da culpa (asham), é trazido por várias transgressões. O sacrifício de expiação (chatat) é trazido para pecados involuntários. O sacrifício queimado (olá) é trazido por maus pensamentos.

Mas o Korvan Todá, é diferente de todos. Esta oferta é trazida sem qualquer transgressão; é uma entrega pura. Por essa razão, nossos sábios dizem que, no futuro, todas as ofertas serão canceladas, exceto para o sacrifício pacífico. O caráter deste sacrifício é único e incomparável. É dar por dar.