Torá em Português

Parashat Devarim

Começar de Novo

Tradução de español: David Abreu

O jejum de Tisha beAv está intimamente ligado ao pecado dos espiões. Ao retornar - somos informados - dez desses doze emissários difamaram a terra e amedrontaram o povo, mergulhando-os no desespero e nas lágrimas.

Naquela noite, de acordo com o Talmud, era Tisha BeAv. D'us, vendo o povo chorar em vão, ficou furioso: ele condenou os filhos de Israel a vagarem por quarenta anos no deserto, e repudiou aquela geração ao decretar que eles não entrariam na terra que ele havia prometido a Abraão, Isaque e Yaakov.

Algumas centenas de anos depois, naquele mesmo dia, o Primeiro Templo em Jerusalém foi destruído, e a cidade de Jerusalém foi arrasada, produto -entre outras coisas- da degeneração social do próprio povo de Israel.

“Quão solitária tem sido a cidade que estava cheia de gente!” (Eikh 1, 1), o profeta Irmiahu (Jeremias) lamentou naquele momento em face de tamanha destruição.

Ao abrir o pergaminho de Eikha, algo chama nossa atenção com força. Os versos do livro seguem a ordem do alef bet (o alfabeto hebraico), sendo este o único livro no TaNaJ que respeita este modelo.

Como é possível que, em face de tamanha catástrofe, o profeta decida se lamentar seguindo ordenadamente a ordem do alfabeto ?!

O contraste entre a magnitude do drama e a harmonia e prolixidade da música transforma a pintura em uma pintura grotesca.

Como é possível que o profeta tivesse uma nova cabeça para lamentar em rima e de acordo com a ordem do alfabeto?


Talvez o que o profeta nos ensine é que em situações de tal crise, não há alternativa a não ser recomeçar do zero, ou seja, a partir da aposta alef elementar (também não será por acaso, o facto de lembramos a destruição dos Templos de Jerusalém no mês de Av, um mês composto pelas duas primeiras letras do alfabeto hebraico (aleph e bet).

Há um exemplo muito cotidiano que pode descrever perfeitamente essa ideia.

Considere a bateria recarregável de um telefone celular. Para recarregar a bateria, é sempre preferível que esteja completamente vazia. Se for recarregada repetidamente, quando estiver meio carregada, a bateria acaba estragando.

Acho que isso é semelhante à mensagem do profeta Irmiahu no livro de Eikha.

Da mesma forma, para otimizar o uso da bateria de um celular, é preferível que ela fique zerada e não pela metade, o profeta nos ensina que muitas vezes é mais fácil construir do nada, do elementar alef bet, para reconstruir algo que está meio saudável e meio quebrado, meio cheio e meio vazio.

Vamos pensar em nossas próprias crises pessoais.

Quantas vezes cometemos um erro após o outro em certas áreas de nossa vida? Mas continuamos tropeçando, presos dentro de um tornado do qual não podemos sair, até que um dia dizemos: ‘Eu vim até aqui! Vamos repartir o baralho de novo. '

Quando no primeiro capítulo do Sefer Irmiahu D`us se apresenta ao profeta, ele diz:

“Eis que neste dia vos coloquei sobre as nações e sobre os reinos, para desarraigar e arrancar, destruir e derrubar, construir e plantar” (Irmiahu 1, 10).

A ordem dos verbos é impressionante. Para construir, primeiro você teve que derrubar! Para plantar, você tinha que começar primeiro!

Às vezes, a única receita é recomeçar.