Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Balak

Balada para um louco

Tradução de español: David Abreu

Chamar a si mesmo de "verme" não representa - à primeira vista - um grande elogio. No entanto, o profeta Isaías escolheu esse qualificador para se referir aos filhos de Israel. "Não tema, verme de Jacó, e nem são vocês homens de Israel" (Ishaiahu 41, 14).

Por que o profeta Isaías escolheu tal figura para se referir ao nosso povo?

A resposta é trazida pelo RaDaK (Rabino David Kimhi) e está claramente ligada à Parashá que lemos esta semana, Parashat Balak.

O RaDaK diz em seu comentário ao livro de Isaías: "Assim como o verme fere os cedros pela boca, e mesmo quando é mole fere o que é duro, o mesmo ocorre com Israel: sua força está em suas orações e (com eles) eles atingem os ímpios do mundo que são fortes como cedros".

No início da Parashá, somos informados de que Balak, rei de Moav, pediu conselho aos anciãos de Midiã para enfrentar e derrotar Israel.

RaSHI diz:

“Visto que viram que Israel estava conquistando (seus inimigos) de uma forma extraordinária (e por meio de milagres), eles disseram:“ O líder destes [de Israel] foi formado na (terra de) Midiã. Perguntemos a ele qual é sua característica. "Eles (os midianitas) lhe disseram:" Sua força reside apenas em sua boca. "Eles disseram:" Nós também o enfrentaremos com um homem cuja força reside em sua boca. "

Foi então que Balak decidiu recrutar os serviços de Bilam, o ímpio cuja bênção ou maldição tinha um poder comprovado e eficaz.

A conclusão dos moabitas é intrigante.

Deixe-me pegar a licença para traduzir essa conclusão incomum para a linguagem esportiva.

Quem entende de futebol sabe que a seleção brasileira sempre se caracterizou pelo poder ofensivo. Agora, suponha que um treinador rival observasse o jogo da seleção brasileira e dissesse: "A força do Brasil está no ataque; vamos enfrentá-lo com cinco atacantes."

Se chegasse a essa conclusão absurda, possivelmente receberia mais de meia dúzia de gols no próximo jogo e seria afastado de seu cargo.

Todo soldado sabe que para ter sucesso na batalha, os pontos fracos do adversário devem ser identificados e atacados. Os pontos fortes devem ser identificados, mas apenas para tomar as devidas precauções.

No entanto, Balak, rei de Moav, chega à conclusão oposta. E isso acabou sendo não apenas uma conclusão incomum e intrigante, mas também um suicídio tático genuíno.

Quando Bilam começou a amaldiçoar os filhos de Israel, pérolas jorraram de sua boca. Tão belas foram suas palavras de bênção que se tornaram parte da liturgia judaica diária.

Por que ele fez isso então?

Eu acredito que a chave para entender o comportamento de Balak foi expressa por nossos Sábios quando eles afirmam que o amor como o ódio "alteram as formas" (Beresheet Rabbah 55, 8).

Aquele que ama ou odeia com toda a sua alma irá - freqüentemente - tomar decisões absurdas e irracionais apenas para satisfazer seu coração.

Quem ama alguém profundamente, possivelmente acaba agindo fora de toda lógica. O mesmo acontecerá com aqueles que odeiam profundamente, como foi o caso de Balak, rei de Moav.

Quem quer que olhe para Balak de lado não será capaz de entendê-lo. Ele interpretará seu ato como uma verdadeira loucura.

E um pouco disso existe ...

O amor e o ódio parecem estar relacionados com a loucura.