Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Shemini

Anjos e Bestas

Tradução de español: David Abreu

O Midrash em Bereshit Rabba (8, 11) diz que D'us ao criar o homem foi inspirado por anjos e bestas (feras).

D'us disse olhando para os anjos: O homem se levantará, falará, compreenderá e se parecerá com os anjos. E então, olhando para as feras, ele disse: O homem comerá, beberá, fará as suas necessidades, procriará e morrerá como os animais.

Somos uma criação única. Temos algo de anjos e também de feras. Sabemos que somos apenas pó e cinzas diante da imensidão de D'us. Mas, ao mesmo tempo, sabemos que nosso intelecto nos coloca acima dos animais.

Sabemos que a humanidade já pode fazer robôs em forma humana. Uma concha de metal substitui o esqueleto humano. Uma soma de motores, polias e engrenagens imita o sistema muscular. Um sistema complexo de câmeras e sensores oferece uma capacidade mínima de sentir.

Mas como fazer aquele robô entender que falta sal numa sopa? Como fazer um robô, além de ser prático, criativo e intuitivo? Como você pode semear em seu coração enferrujado as sementes da humildade, do espírito de autoaperfeiçoamento, da devoção a D'us?

É impossível. Um robô pode vencer uma partida de xadrez contra Garri Kasparov, mas nunca será capaz de se levantar uma manhã e ler espontaneamente um Salmo de louvor a D'us por ter todas as engrenagens no lugar. E nem um animal poderia fazer isso ...

A raça humana foi criada com todos esses dons, que vivem dentro de nós como pequenas sementes. Dependerá de cada um se essas sementes darão frutos.

Parashat Shemini nos fala sobre os padrões alimentares judaicos - kashrut - mencionando uma longa lista de alimentos proibidos e permitidos.

Poderíamos nos perguntar: Por que não posso comer o que quero? Sou uma pessoa má por comer um sanduíche de presunto cru?

A resposta é não. Existem pessoas boas que comem sanduíches de presunto cru e existem pessoas más que comem apenas pastrami kosher ... Mas esse não é o fim das regras de Kashrut.

Não somos anjos ... Mas também não somos bestas. Os animais comem de acordo com os ditames de seus instintos. Kashrut é uma forma de expressar nossa devoção a D'us, fazendo o que Ele nos diz em vez de fazer o que nosso corpo nos diz. É a ferramenta que nossa tradição nos dá para superar nossos instintos, mesmo quando todos sabemos que não somos anjos.