Torá em Português

Parashat Yetro

Amaleque, Jetro e Eu - O que eles vão dizer?

Tradução de español: David Abreu

Desde os tempos bíblicos, o povo judeu tem uma obsessão particular com a opinião das nações do mundo a seu respeito.

Quando D'us quer exterminar o povo após o pecado do bezerro de ouro, Moisés tenta mudar o plano divino, dizendo: "Por que hão de dizer os egípcios: Com más intenções ele os tirou para matá-los nos montes, e para exterminá-los da face da terra? " (Shemot 32, 12). Quando D'us deseja destruir o povo após o pecado dos espias, Moisés novamente intervém dizendo: "E se você matar este povo como um só homem, os povos que ouvirem sobre sua fama falarão, dizendo: Porque o Eterno não pode trazer o povo para o país que jurou as eles, os massacrou no deserto "(BeMidbar 14, 16).

O argumento de Moisés na época de sua intervenção diante de D'us é impressionante. A razão pela qual D'us deveria perdoar o povo não é outra senão "O que eles dirão?"

Essa obsessão não nos deixou desde então.

Qualquer ação militar ou diplomática de Israel leva em consideração o "O que eles vão dizer?" Sabemos bem que as tentativas de mudar a opinião pública internacional nem sempre têm sido encorajadoras. Muitos são os que asseguram que esta é - de antemão - uma batalha perdida.

O Talmud traz uma opinião que -a priori- parece extremista. No Tratado de Shabat, um jogo original de palavras é feito entre a palavra hebraica "Siná" (ódio) e o nome do monte onde a Torá foi entregue (Sinai). Nossos Sábios dizem que a partir do Sinai, as nações do mundo ficaram cheias de ódio e ressentimento contra o povo judeu por não terem recebido a Torá (Shabat 89a).

Todo mundo realmente nos odeia?

Talvez a Parashat Jetro possa nos dar uma resposta a essa pergunta.

No início da Parashá, Jetro reencontra Moisés - seu genro - no deserto.

RaSHI (veja o comentário sobre Shemot 18, 13) sugere que esta situação ocorreu após a entrega da Torá, embora a ordem dos eventos pareça invertida no texto bíblico.

Se sim ... por que a Torá traz esse relato para o início?

Possivelmente, a resposta é que a Torá deseja vincular a vinda de Jetro à guerra contra Amaleque que é mencionada no final da Parashá passada.

Nossa Parashá começa dizendo "E Jetro ouviu" (Shemot 18: 1). Pergunta RaSHI: O que você ouviu? (Ouvi falar sobre) a abertura do Yam Suf e (sobre) a guerra com Amaleque.

Não havia - na verdade - nenhuma nação que não tivesse ouvido falar sobre a intervenção divina na redenção de Israel. Já lemos na Canção do Mar, semana passada: “Os povos ouviram, estremeceram, tremendo agarraram os habitantes de Pleshet. Então os príncipes de Edom ficaram chocados, os poderosos de Moav foram tomados de tremor. Os habitantes de Cnaan ficaram assustados "(Shemot 15, 14-15)

Mas aparentemente nem todos os ouvidos são iguais ...

Amaleque ouviu. Também Jetro.

Mas enquanto Amaleque estava cheio de ódio por aquelas pessoas que foram resgatadas do Egito, Jetro ouve e se identifica com a narrativa hebraica.

"Bem-aventurado o Eterno, que te salvou das mãos dos egípcios. Agora eu sei quão grande é o Eterno, maior do que todos os deuses ..." (Shemot 18, 10-11). A Torá aparentemente deseja justapor duas reações "gentis" diametralmente opostas: a de Amaleque e a de Jetro.

Vale a pena perguntar: por que um povo escuta e se torna arquétipo do anti-semita (Amaleque), enquanto Jetro escuta e se identifica?

A resposta é simples para o meu entendimento: chama-se Hasbará (Explicação(.

Depois dos abraços calorosos, a Torá nos diz que é o próprio Moisés quem relata o que aconteceu nos ouvidos de Jetro:

"E Moisés contou a seu sogro tudo o que o Eterno fez ao Faraó e ao Egito, por causa de Israel, todas as adversidades que se abateram sobre eles no caminho e (como) o Eterno os resgatou" (Shemot 18: 8).

Jetro ouviu os acontecimentos da boca de Moisés. Moisés conta a ele sobre os sofrimentos do povo no Egito, da perseguição ao Faraó, dos milagres que aconteceram.

Jetro não escuta apenas o que é veiculado na TV inglesa ou espanhola. Ouviu o testemunho em primeira pessoa, da boca de Moisés, e possivelmente Moisés sabe que somente desta forma ele alcançaria a empatia de seu sogro.

A Torá nos ensina que todos ouvem. Como Amaleque ouviu, Jetro também. A diferença entre as duas reações reside no fato de que Moisés entendeu- com Jetro - como a narrativa judaica deve ser apresentada. Três mil e quatrocentos anos atrás, Moisés entendeu algo que em nossos dias não se conseguiu entender: a empatia dos povos do mundo não é alcançada nem com milagres nem com poder militar. Isso é alcançado com Hasbará (Explicação).