Torá em Português

Rosh Hashaná

Afinando nossa existência

Tradução de español: David Abreu

Há poucos dias, ouvi falar de um estranho serviço telefônico na cidade de Viena (Áustria).

Lá, quem disca o número 1-5-0-9, não obtém resposta humana.

Não há operadora para atendê-lo, nem uma daquelas gravações odiosas a que estamos cada vez mais acostumados.

Quem disca em Viena 1-5-0-9 recebe uma nota de LÁ em resposta, para poder afinar o incontável número de instrumentos musicais que povoam aquela cidade europeia.

Não falamos aqui nestes Yamim Noraim de instrumentos musicais, embora seja verdade que temos um (o Shofar) com um som etéreo e monótono.

Neste momento, o verdadeiro instrumento a ser afinado somos nós mesmos, nossa própria humanidade.

O Shofar contribui para harmonizar nossas vidas que ano após ano perdem a afinação e precisam de um LÁ para voltar ao seu rumo perdido.

Leremos em breve na Torá:

VaIsa Abraham Et Einav VaIar VeHine Ail Achar Neejaz BaSvach BeKarvav ...

E Abraão ergueu os olhos e viu que um carneiro estava preso com seus chifres no matagal.

É interessante notar que a Mishná possui duas maneiras diferentes de denominar o 'instrumento musical' desses Yamim Noraim.

Por um lado, ele o chama de KEREN (trompete), como aparece neste versículo.

Por outro lado, como você deve saber, ele se chama SHOFAR.

Cada um desses nomes define uma qualidade dele.

O KEREN descreve o próprio chifre, o objeto físico que cresce na cabeça do animal.

Em outras palavras: enquanto o chifre está na cabeça do animal, o shofar não é um SHOFAR, mas um KEREN.

SHOFAR é outra coisa; tem a ver com o aspecto interno, com a voz que emerge do fundo daquele chifre.

O KEREN, é a força de Esav e o culto por essa força que pode ser vista.

SHOFAR é a voz de Yaakov, a essência interior invisível, mas poderosa.

O KEREN define a força do animal.

E que paradoxo.

A força do carneiro de Abraão (seus chifres) acabou sendo o motivo de sua fragilidade quando acabou preso por eles.

O SHOFAR define a força humana.

E também é paradoxal, mas ao contrário.

A capacidade de reconhecer nossa fragilidade é nossa verdadeira força.

E até mesmo a brachá que diremos explica isso:

Asher Kidshanu BeMitzvotav VeTzivanu Lismoa Kol Shofar.

Que nos santificaste com Seus mandamentos e nos ordenaste escutar a voz do Shofa.

Mesmo que o chifre tenha dois aspectos: força física e som etéreo, nossos sábios nos dizem que a essência do preceito reside naquela força que vem de dentro.

Não sei se alguma vez tiveram a oportunidade de prestar atenção ao som particular de cada um dos instrumentos que constituem uma orquestra.

Você nunca poderá apreciar a beleza de uma peça musical ouvindo apenas um violino ou um trombone e muito menos se estiverem desafinados.

A beleza musical é verdadeiramente apreciada, quando cada instrumento adquire sua própria afinação e se harmoniza com seus companheiros.

Assim também nós, através do SHOFAR e do espírito desses Yamim Noraim, somos chamados a refinar nossas almas e harmonizar nosso interior com os que estão ao nosso redor nesta grande peça musical em que tocamos todos separadamente, mas juntos.

Preste atenção à nota LÁ que vai soar em instantes e trazer à tona nossa força interior, transformar KEREN em SHOFAR para afinar nossas vidas e colocá-la em sintonia com a de nossos semelhantes.