Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Chukat

A vaca perfeita

Tradução de español: David Abreu

Os primeiros versos da Parashat Chukat tratam do ritual particular da vaca vermelha.

O texto bíblico descreve os menores detalhes desse cerimonial.

A Torá impõe a busca de uma vaca perfeita, completamente vermelha (na verdade, é de pelo acastanhado), na qual nenhuma carha lhe fora colocada. Depois, fala-se da maneira como aquela vaca foi abatida, como seu sangue foi derramado sete vezes na frente da Tenda da Reunião, e como sua carne e pele foram queimadas com madeira de cedro, hissopo e fio carmesim para servir de um agente purificador dos que estiveram em contato com os mortos.

Resumindo, era um ritual extremamente estranho que nem mesmo a própria sabedoria do Rei Salomão poderia desvendar (BeMidvar Rabbah 19).

Muitos foram os comentaristas que ao longo das gerações tentaram decifrar a mensagem oculta por trás do ritual da vaca vermelha.

Por que a Torá nos força a procurar uma vaca tão perfeita que dificilmente podemos encontrá-la?

Em primeiro lugar, a vaca tinha que ser absolutamente vermelha e era inválida com apenas dois cabelos pretos (veja o comentário de RaSHI a BeMidvar 19, 2). Portanto, a vaca não deve ter nenhum defeito ou carregar qualquer jugo. Nem poderia ser um boi ou um bezerro; apenas vacas vermelhas perfeitas eram adequadas para tal ritual.

O rabino Harold Kushner propõe uma interpretação interessante disso em seu livro "Devemos ser perfeitos?" Em seu entendimento, a oferta daquele animal mostra que a perfeição não tem lugar neste mundo. As criaturas perfeitas devem estar no Céu, não na Terra. Este mundo é para aqueles de nós que lidam com nossas falhas e imperfeições.

A perfeição não é um mandato bíblico. O imperativo bíblico é subir a escada de nossos atributos e polir nosso caráter diariamente. Tente todos os dias ser melhores do que éramos ontem.

Possivelmente, à luz desse imperativo, podemos entender a mensagem de outra história crucial que faz parte de nossa Parashá. Refiro-me ao episódio estrelado por Moshe Rabenu em Mei Merivá.

Moshe decide acertar aquela pedra ao invés de falar com ela, o que despertou a ira divina.

O que Moisés fez foi realmente tão sério?

Possivelmente, a resposta é que para nós - homens comuns - um deslize como o cometido por Moshe Rabenu pode ser trivial e cotidiano. Todos nós temos um momento de raiva ou um pequeno acesso de raiva em algum momento.

No entanto, Moshe tinha uma estatura moral muito diferente da nossa.

Se um homem passa a vida maltratando e batendo em seus vizinhos ou colegas de trabalho e um belo dia decide jogar sua violência na rocha, podemos dizer que seu comportamento melhorou.

Mas não foi isso que aconteceu com Moshe. Para ele, dada sua paciência e seu espírito calmo de costume, esse ato foi muito mais sério do que para qualquer um de nós.

Pessoas como Moshe são evidentemente medidas por um padrão diferente.

Nem foi exigido que Moisés fosse perfeito. Ninguém é. No entanto, ele não estava isento - como ninguém - de polir seu caráter e subir sua escada de atributos. Para Moshe, aquela explosão de raiva foi, sem dúvida, um passo para trás.

A perfeição não existe neste mundo. Nem no universo dos seres vivos, nem no universo das relações interpessoais, nem entre rabinos ou sábios.

A perfeição da vaca vermelha pertencia aos céus, não à terra. Por esta razão, era oferecida a D'us.