Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Metzorá

A Língua Má

Tradução de español: David Abreu

A história midráshica na qual nos é contada uma anedota sobre Rabán Gamliel e seu servo Tavi é extremamente conhecida.

"Vá e traga-me o melhor que encontrar no mercado", disse-lhe o Rabino.

E foi Tavi e ele trouxe uma língua para ele.

"Agora me traga o pior que puder encontrar no mercado." E foi Tavi e ele trouxe uma língua para ele.

"Como pode ser", Rabán Gamliel perguntou a ele, "que quando eu lhe peço o melhor do mercado, você me traz uma língua, e quando eu peço o pior, você também me traz uma língua?"

"Nada melhor do que uma boa língua", respondeu Tavi. “Mas ... nada pior do que uma má” (VaIkrá Rabba 33, 1).

A Parashat Metzorá, trata das diferentes manchas da pele.

Nossos Sábios já sugeriram que essas manchas podem ser o produto de linguagem imprópria (de Lashon HaRá) em um jogo claro de palavras entre o termo "Metzorá" e a expressão "Motzí Shem Ra".

O que Tavi sugere nesta história é que as palavras que falamos todos os dias têm - para melhor ou para pior - um poder transformador.

Nada melhor do que uma boa língua como Tavi costumava dizer.

Uma boa língua pode transmitir amor, pode fazer as pessoas rirem, pode trazer conforto aos sofredores ou pode pronunciar Divrei Torá e aproximar as pessoas da tradição de Israel.

Mas ... nada pior do que um má. Uma língua ruim pode machucar, pode manchar a reputação de uma pessoa, pode fazer alguém chorar ou pode arruinar um relacionamento para sempre.

Língua má é como flechas, diz o Midrash. Não apenas por causa de seu poder mortal, mas porque uma vez que a flecha é lançada, ela não tem possibilidade de retornar (Midrash Tehilim).

Cuidar da língua está entre as mitzvot mais difíceis para todo judeu cumprir. Observar o Shabat meticulosamente é muito fácil. Limpar a casa de chametz (fermento) antes de Pessach é brincadeira de criança ao lado desse preceito.

Os preceitos 'rituais' são a camada externa do Judaísmo ... O Lashon HaRá está bem no fundo, mais perto do coração. Se o judeu limpasse sua língua da mesma forma que limpa sua casa antes de Pessach, possivelmente o mashiach chegaria amanhã à noite.

Para entender o lugar que este Mitzvá ocupa em nossa tradição, vamos pensar sobre a própria Amidá que rezamos todos os dias.

Pedimos saúde, justiça, sustento, paz, resgate das diásporas. Mas ... Como a Amidá começa?

Ad-nai Sfatai Tiftach Ufi Iaguid Tehilatecha.

D'us - pedimos - abra meus lábios, para que minha boca pronuncie Seu louvor.

E como a Amidá termina?

E-lohai Netzor Leshoní MeRa USfatai MiDaver Mirma.

D'us, nós imploramos, preserve minha língua da calúnia e meus lábios das mentiras.

Nossos rabinos sabiam quando fixaram o texto da Amidá que não há epidemia no mundo na magnitude de Lashon HaRá (a linguagem imprópria).

E embora nas nossas orações diárias imploremos por valores supremos como a paz, a justiça e a saúde, os nossos Rabinos preferiram que todos estes pedidos fossem enquadrados no pedido expresso de paz, saúde e justiça… para as nossas línguas!

Já que comecei contando a parte conhecida do Midrash sobre Rabán Gamliel e seu servo, desejo concluir com a parte menos conhecida; a continuação desta história.

Somos informados lá que Rabi Yehuda HaNasi preparou um banquete para seus alunos, para o qual ele serviu línguas. No entanto, serviu para algumas línguas macias e tenras e algumas duras e ásperas. Os alunos começaram a escolher, comendo os tenros e deixando os duros no prato.

Quando o Rabino os viu, ele entendeu que o momento da lição havia chegado. Ele os olhou bem nos olhos e disse: 'Assim como hoje você escolheu as línguas macias e abandonou as ásperas ... Faça o mesmo com as suas próprias línguas!

Pessach já está chegando. Sabemos que Pessach vem da palavra ‘Pasach’ (pular) porque Malach HaMavet pulou a casa dos filhos de Israel naquela noite da redenção.

No entanto, o Rabino Yitzchak Luria (o ARIZaL) certa vez observou que a palavra hebraica "Pesach" é composta de duas outras palavras hebraicas: Pe + Sach (boca falante).

Lá, na noite do Seder, nossas línguas e nossa capacidade de falar terão um papel fundamental. Vamos contar e cantar. Louvaremos e lembraremos o Êxodo assim como o fazemos ano após ano.

Que D'us nos inspire a transferir esse espírito de pureza para o resto dos dias do ano, ajudando-nos também a limpar o chametz que tantas vezes repousa em nossas línguas.