Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Emor

A Espera

Tradução de español: David Abreu

O escritor argentino Alejandro Dolina contou certa vez sobre um jovem impaciente que queria crescer com pressa de viver uma vida independente.

A etapa tão desejada demorou a chegar e o jovem - ansioso - enojou-se com os caprichos do tempo.

Uma noite, um anjo apareceu ao jovem, trazendo com ele um presente celestial:

"Esta é uma bola de fios de seda", disse ele.

"Com a ajuda desta bola você pode evitar longas esperas. Quando você quer antecipar um evento em sua vida, você só precisa mexer os pauzinhos e o futuro terá que se tornar o presente. Basta ter cuidado e usá-lo com sabedoria," ele avisou.

O jovem recebeu o dom divino com entusiasmo, puxou o fio e - em segundos - tornou-se adulto.

Ele olhou em volta, percebendo que estava em um evento social elegante. Lá ele conheceu uma mulher que acendeu a centelha de amor que aninhava em seu coração.

No entanto, a espera para ver aquela mulher se tornar sua esposa foi muito pesada para ele. Foi então que ele puxou os cordões novamente, e aquela mulher estava - de branco - parada ao lado dele sob o dossel do casamento.

Então, ele puxou a bola novamente para que seu primeiro filho nascesse. Nove meses foi demais para ele ...

Depois o segundo. E então para os dois crescerem. Os netos do homem nasceram com um novo fio, e tudo isso aconteceu sem qualquer espera graças a este dom celestial.

O homem ficou velho e cansado. Ele puxou a corda mais uma vez, quase por inércia, mas desta vez não havia mais corda para puxar. Ele chegou ao fim da bola ...

Foi então que o mesmo anjo apareceu a ele e disse: "Eu te avisei para ter cuidado, mas vejo que você não me ouviu. Aqueles fios eram a sua vida, e isso também acabou."

O homem deu seu último suspiro.

Desde seu primeiro encontro com o anjo, apenas um mês se passou ...

....

A moral desta história é clara. A maior parte de nossas vidas vivemos esperando.

Esperamos ser ótimos. Nos casar. Ter filhos. Deixar que eles se casem. Que os netos nasçam.

Talvez nem todo mundo espere isso. Mas esperamos viagens, reuniões, férias. Enfim - diz Dolina - quase sempre estamos esperando ...

Claro, a espera só será especial se um deleite nos aguardar no final da estrada. Sem prazer, a espera será cruel e dolorosa, porque não há homem que possa esperar anos por algo que não virá.

No entanto, a equação da vida é sempre a mesma. A vida tem alguns momentos de êxtase, mas a maior parte dos dias ficamos esperando.

Vou trazer outra parábola, mas desta vez da vida real. Há alguns anos, visitei o parque de diversões em Chol Hamoed Pesach com minhas filhas. Qualquer pessoa que tenha visitado um parque de diversões israelense durante a semana da Páscoa sabe que isso é semelhante a alugar uma cabana para o fim de semana à beira do inferno. O prazer pode ser misturado com muito sofrimento.

Passamos seis horas no parque, das quais esperamos cinco horas e meia parados em filas de quilômetros de extensão e conseguimos jogar - neto - apenas meia hora.

Esperamos muito, jogamos alguma coisa, mas a recompensa finalmente foi enorme. Apesar do calor e da longa espera, rimos e nos divertimos.
...
É assim que -finalmente- nossas vidas são.

Existem esperanças famosas na Torá. Yaakov Avinu, trabalhou sete anos para sua amada Rachel "e eles estavam em seus olhos como (poucos) dias por causa do amor que ele tinha por ele" (Bereshit 29:20). A espera, no caso dele, só intensificou o amor que sentia por ela.

Outra famosa espera está ligada à época do ano em que passamos esses dias no calendário hebraico. É sobre a contagem do omer mencionada na Parashá desta semana.

“E vocês mesmos farão a contagem a partir do dia seguinte ao primeiro dia de festa, a partir do dia em que trouxerem o molho de tenufá, sete semanas; (sete semanas) estarão completos” (VaIkrá 23, 15).

Por que esperar sete semanas a partir do momento de nossa liberdade - em Pessach - até o momento da entrega de nossa Torá?

Por que os israelitas não eram dignos de receber a Torá imediatamente após deixar o Egito?

Rabi Yitzchak diz no midrash: "Israel deveria ter recebido a Torá, imediatamente após deixar o Egito. Acontece que o Santo Abençoado disse: Meus filhos ainda não se recuperaram da escravidão de barro e tijolos, e eles não podem receber a Torá imediatamente?

O que isso parece?

Para um rei cujo filho estava doente. O professor (do jovem) disse ao rei: "Seu filho deve voltar para a escola." O rei disse-lhe: "Meu filho não terminou de se recuperar de sua doença ... e você está me dizendo que ele deve voltar para a escola?! Em primeiro lugar, meu filho vai se recuperar por três meses com comida e bebida, e então voltar para a escola.

Assim, o Santo Abençoado disse: "Meus filhos ainda não se recuperaram de sua escravidão de barro e tijolos ... e devo dar-lhes a Torá imediatamente? Darei água e codornizes e então eu lhes darei a Torá" (Kohelet Rabbah 3).

Disto se segue que esperar é essencial na vida.

E se um anjo vier nos visitar com uma bola de seda na mão, devemos ter cuidado para não cair na tentação de puxar esse fio. Seria melhor embrulhá-lo com cuidado e guardá-lo com nossos objetos mais preciosos.

Porque esperar é uma parte constitutiva da vida.

Como minhas filhas e eu no parque de diversões.

Como Yaakov esperando pelo amor de Rachel.

É como esperar para receber a Torá no feriado de Shavuot.

Longas esperas e brilho em nossos rostos quando a espera termina e chega o momento desejado.

Esperar não é apenas uma parte constitutiva de nossas vidas, mas a maior parte dela.

A maior parte de nossas vidas vivemos esperando.