Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Emor

A escada do Omer

Tradução de español: David Abreu

Quarenta e nove dias se passam entre o êxodo dos filhos de Israel no Egito (Pessach) e a revelação do Monte Sinai e o recebimento da Torá (Shavuot).

Nesta época do ano, o povo de Israel passa por um processo de preparação interna para o recebimento da Torá, um processo no qual eles tentam se livrar da sujeira egípcia para entrar em uma vida de pureza e santidade.
De acordo com nossos sábios, o povo de Israel no Egito estava imerso em um processo de degeneração espiritual. Segundo nos ensinam, existem cinquenta pórticos de impureza e no Egito os filhos de Israel chegaram ao pórtico de número quarenta e nove, quase sem volta.

A cada ano, e a cada dia que passa na contagem do Omer, o povo de Israel remove simbolicamente outra camada de impureza e, em vez de entrar na sujeira, ela sobe em direção aos portões da santidade.

Essa ponte entre as duas partes nos leva a uma reflexão. Pessach é o festival da liberdade física e da redenção do corpo. Mas tal redenção não é um fim em si mesma, mas sim um passo em direção à renovação espiritual proposta pela entrega da Torá no Monte Sinai. Assim como um noivo conta os dias até que ele possa se unir a sua amada, a nação de Israel conta os dias que separam a redenção física da espiritual.

Nestes dias de comemoração do septuagésimo aniversário de Israel, entre carne assada e carvão, pensei muito sobre este ponto. Na verdade, há um paralelo claro entre a libertação da Páscoa e a independência do moderno Estado de Israel.

A independência é - evidentemente - algo positivo em si mesmo. Mas, como sociedade ... temos um programa espiritual? Como um estado ... somos realmente uma "luz para as nações"? A independência que conquistamos há setenta anos faz parte de um processo mais amplo ou é um fim em si mesma?

Rabino Moshe Garelik se refere, em seu livro "Parashah U-Fishra", a esta ponte chamada "A Contagem do Omer", que conecta a liberdade do corpo com a da alma:

Por meio desse relato, os filhos da geração do deserto tiraram o feriado da Páscoa de sua entidade independente e o transformaram no promotor do feriado Shavuot. Desta forma, uma ponte foi construída entre os dois festivais que nos ensina a impossibilidade de separar a redenção física da espiritual; Um não existe sem o outro. A redenção nacional de um povo estará em perigo se for vista como um fim em si mesmo. Muitas revoluções foram enfraquecidas, quando seus protagonistas acreditaram que haviam chegado ao fim do caminho e não conseguiram renovar suas aspirações. A estabilidade de muitos países que alcançaram sua independência vacilou, quando tudo o que restou foram as lutas incessantes pelo poder entre seus libertadores. A contagem do Omer diz "NÃO" ao que foi realizado. Ele considera que o êxodo do Egito, embora uma etapa importante e valiosa, nunca pode substituir a ponte que nos leva ao crescimento espiritual representado pela Torá e pela revelação do Sinai. ”

D'us queira também que possamos preencher essa lacuna e, juntos, podermos subir e nos elevar na escada que nos completa como sociedade.