Torá em Português

Old Hebrew Prayer Book

Parashat Emor

A última coisa a ser perdida

Tradução de español: David Abreu

Para onde vai um homem sem esperança? Assim como os automóveis passam por momentos difíceis quando ficam sem combustível, os seres humanos passam por momentos difíceis quando a esperança se esgota.

Freqüentemente, somos oprimidos pelo desânimo. Sentimos que "tudo dá errado" e sofremos o peso da vida sobre nossos ombros.

Parashat Emor, pode muito bem servir de roteiro diante dessas sensações que muitas vezes nos atacam e atrapalham nosso andar. Em Parashat Emor, luto e alegria se esfregam visivelmente. A Parashá começa falando sobre a morte, alertando os kohanim para não se contaminarem com os mortos e, finalmente, termina com uma extensa menção aos festivais de Israel, dias de descanso e alegria para os judeus.

Este encontro temático - a dor inicial e a festa final - traz-nos uma lição exemplar tanto individual como coletivamente. Mesmo em dias difíceis, somos PROIBIDOS de cair nas profundezas do desespero, mesmo quando a vida é um fardo pesado para carregar. Devemos superar a decadência e esperançosamente aguardar a chegada de um bom dia, feriados e alegrias.

Assim como a Parashat Emor fala em seu início de sofrimento e angústia, e termina falando de festas e alegrias, também nós devemos saber que depois das nuvens de tempestade mais densas sempre há o sol ansioso para aparecer. E embora seja verdade que um presente de luz pode se tornar preto em questão de segundos, não é menos verdade que um presente escuro pode rapidamente dar origem ao nascer do sol, exatamente a mesma ordem que a Parashat Emor apresenta.

Possivelmente não há energia em toda a Criação com maior poder do que a esperança. Quando acreditamos e confiamos que o progresso pode ser feito, nossas chances de crescer, prosperar e continuar sonhando aumentam.

Conta a história de seis mineiros que trabalharam em um túnel muito profundo extraindo minerais das entranhas da terra.

De repente, um deslizamento de terra os deixou isolados do lado de dentro, vedando a saída do túnel.

De relance, eles calcularam sua situação. Eles perceberam por experiência própria que o grande problema seria o oxigênio.

Se fizessem tudo certo, teriam cerca de três horas de ar sobrando, no máximo três horas e meia. As pessoas de fora saberiam que eles estavam presos lá, mas um deslizamento de terra como esse significaria cavar no chão novamente e cavar na mina novamente para chegar até eles. A questão era ... eles poderiam fazer isso antes que o ar acabasse?

Mas como esses mineiros eram especialistas, eles decidiram que, para economizar oxigênio, deveriam fazer o mínimo desgaste físico possível. Apagaram então as lâmpadas que carregavam e se jogaram no chão em silêncio.

Aliás, apenas um deles tinha relógio.

Todas as perguntas foram para ele: Quanto tempo passou? Quanto falta?

O tempo era eterno. Cada par de minutos parecia uma hora, e o desespero a cada resposta agravava ainda mais a tensão.

O chefe dos mineiros percebeu que, se continuassem assim, a ansiedade os faria respirar mais rápido e isso poderia matá-los. E ordenou a quem tinha o relógio que só ele controlasse a passagem do tempo.

Ninguém faria mais perguntas, ele notificaria a todos a cada meia hora. Cumprindo o pedido, aquele com o relógio controlava sua máquina. E depois que a primeira meia hora passou, ele disse a seus companheiros "já se passou meia hora."

O homem do relógio percebeu que, com o passar do tempo, seria mais terrível informá-los de que o minuto final se aproximava. Sem consultar ninguém, ele decidiu que eles não mereciam morrer sofrendo. Então, da próxima vez que ele os informou sobre a meia hora, na verdade haviam passado quarenta e cinco minutos.

Não havia como saber a diferença, então ninguém suspeitou.

Apoiada pelo sucesso da fraude, a terceira informação foi dada quase uma hora depois. Ele disse que mais meia hora se passou e seus cinco companheiros acreditavam que haviam passado apenas uma hora e meia trancados ...

Assim continuou aquele com o relógio e cada hora cheia informava que meia hora havia passado.

A tripulação chegou às quatro horas e meia. O mais provável era encontrar os seis mineiros mortos. Mas não. Eles encontraram cinco deles vivos.

Apenas um morreu sufocado ... O QUE ESTAVA COM O RELÓGIO.

Sem esperança, estamos realmente perdidos. Felizmente, não há impossíveis.

Como Sefer Tehilim diz em seu capítulo 27: Kave El Adonai, Chazak VeIeametz Livecha VeKavé El Adonai. Tenha esperança em Deus, encoraje e fortaleça seu coração e confie em D'us.