Torá em Português

Parashat Bereshit

O Incorruptível

Tradução de español: David Abreu

Especialistas em botânica costumam dizer que as sequóias, enormes árvores que povoam o estado da Califórnia, nos Estados Unidos, são as espécies que vivem mais. Alguns exemplares dessas árvores atingiram dois mil anos de idade e nos surpreendemos com o simples fato de pensar que foram plantadas na época do Rabi Akiva e permanecem vivas até hoje.

No entanto, para um midrash interessante e bastante inédito, a criatura mais velha do mundo não é uma árvore, mas um pássaro chamado "Chol" ou "Malchás". Esta criatura está atualmente completando cinco mil setecentos e vários anos de idade e permanece forte, saudável e jovem junto com todos os seus descendentes em algum lugar do universo chamado Gan Eden.

Talvez seja uma boa hora para eu contar algo sobre "Malchas". Todos nós conhecemos a história do fruto proibido. Chava (Eva) - tentada pela serpente - prova o fruto da árvore do conhecimento desobedecendo à única ordem que D’us lhes havia dado.

Naquele exato momento, de acordo com o midrash, o anjo da morte começou a caminhar em sua direção. A mulher, sentindo que sua morte estava próxima, disse com ciúme: “Então eu vou morrer e para Adão será criada outra mulher em meu lugar! Eu vou convencê-lo também”.

E Adão, convencido por sua esposa, provou o fruto e a acompanha em seu destino de mortalidade (Avot de Rabí Natán B 1, 10).

Mas não só eles comeram a fruta. Todos os animais, e todos os pássaros e todos os animais, todos disseram sim, exceto este pássaro chamado 'Malchas'. E uma voz veio do céu que disse: “Os “Malchas” nunca saberão o que é a morte, e ele e seus descendentes viverão no Gan Eden para sempre” (Bereshit Rabba 19, 5 - Ver 'Agadot HaIehudim, volume I, página 49).

Honestidade em meio à corrupção. Civilidade em meio à desobediência. O “Maljas” nada mais é do que uma caricatura do homem de integridade cercado por depravação moral.

Até que ponto o homem pode manter sua honestidade quando o mundo zomba da honestidade? Em que medida podemos ser homens e mulheres virtuosos em uma sociedade em que temos a sensação de que como disse Enrique S. Discépolo, “ninguém liga se você nasceu honrado”?

Eu imagino os “Malchas”, observando como seus companheiros estavam sendo expulsos em uma fileira do Gan Eden, sendo isolados de toda a criação, e pensando: “Eu fico com D’us e meus princípios, ou acompanho a corrente em sua corrupção?”.

Mas foi tarde demais ...

Uma espada de fogo foi colocada no portão do Gan Eden. De acordo com a Torá, foi colocada lá para evitar que estranhos entrassem novamente.

No meu humilde entendimento, também para evitar que os de dentro sejam tentados a sair.