Torá em Português

Parashat Bereshit

Baixos Instintos

Tradução de español: David Abreu

Meu pai costuma dizer que todos os conflitos em nosso mundo começaram naquele dia, quando um homem se levantou de manhã e disse: "Isso é meu!"

Esta afirmação não é uma declaração comunista contra a propriedade privada, mas sim - uma referência a um dos instintos fundamentais inerentes à raça humana. Uma criança chega a esse conhecimento com quase um ano e meio de idade, quando consegue defender seus brinquedos e sua “propriedade privada” com suor e - principalmente - com muitas lágrimas.

Na Torá, esse fenômeno vê a luz no contexto da fascinante história de Caim e Abel. Esta história, localizada no quarto capítulo do Sefer Bereshit, carece de detalhes fundamentais que a tornam difícil de entender. Lá não é dito o que aconteceu entre Caim e Abel nos momentos que antecederam o crime, nem a motivação que Caim teve quando se tratou de assassinar seu irmão. Nem nos é explicado como os irmãos entenderam que apenas a oferta de Abel havia sido agradável aos olhos de D'us.

Entre os detalhes que faltam na história, gostaria de mencionar um muito impressionante. O próprio assassinato ocorre no oitavo versículo daquele capítulo: "E disse Caim a Abel, seu irmão; e foi no campo que Caim se levantou contra Abel, seu irmão, e o matou" (Bereshit 4, 8).

Este versículo intrigou os Sábios de Israel, pois em nenhum momento o conteúdo do diálogo entre os irmãos é explícito. O Midrash completa o que o relato bíblico é silencioso e fornece os detalhes da conversa entre Caim e Abel nos minutos que antecederam o crime.

Por que eles estavam lutando? [Por que motivo o incidente começou?]. Eles disseram: "Venha e vamos dividir o mundo." Um ficou com a terra e o outro com os bens pessoais [E eles concordaram que nenhum deles reclamaria a propriedade do outro].

Um disse: 'A terra em que você está me pertence!' O outro disse: "O que você está vestindo me pertence!"

Um disse: "Tire a roupa!" O outro disse: "Levante-se no ar [para não pisar em suas terras]!"

Por esta razão, "Caim se levantou contra Hevel, seu irmão, e o matou" (Bereshit Raba 22: 7).

Os Sábios de Israel nos ensinam que o contexto do incidente está relacionado ao apego à propriedade privada. Essa foi a primeira vez que um homem se levantou e disse implicitamente: "Isso é meu!"

Esta declaração implícita abriu a porta para inúmeros conflitos fraternos ao longo da história humana. Isso poderia ter sido evitado?

Acho que a resposta é negativa. Este incidente, como já disse, é apenas a expressão de um dos instintos mais básicos inerentes ao ser humano. E esse instinto nunca pode ser totalmente neutralizado. Se não tivesse acontecido com Caim e Abel, teria acontecido algum tempo depois (possivelmente não muito depois) e dentro de alguma outra família.

Mas mesmo que a Torá não tente neutralizar esse instinto, ela nos ensina a conviver com ele de uma forma harmoniosa.

Nossos sábios em Pirkei Avot (5, 13) nos ensinam que existem quatro categorias entre os homens. Aquele que diz o que é meu é meu, e o que é seu é seu, é o homem de caráter medíocre (alguns acreditam que isso foi culpa dos habitantes de Sidom). Aquele que diz: o que é meu é seu e o que é seu é meu, é o ignorante. Aquele que diz: o que é meu é seu e o que é seu é seu, é o piedoso. Enfim, aquele que diz o que é seu é meu e o que é meu é meu, é o maligno.

A primeira categoria é descrita como típica de homens medíocres. À primeira vista, esta parece ser uma afirmação politicamente correta. Eu cuido do meu, você cuida do seu. Nem o que é meu é da sua conta, nem o que é seu é meu. Aparentemente, quem diz isso não está pecando por inveja nem por ganância. No entanto - como o Rabino Abraham Twerski disse uma vez: seria impróprio acreditar que esse raciocínio seja legítimo, pois o homem não cobiça os bens do próximo (os seus são seus). Pelo contrário: a sua falta de incentivo para pensar nos outros (a minha é minha), pode acabar destruindo a sua alma, erodindo gravemente também o tecido social.

É por isso que a Mishná acrescenta que este foi o defeito dos habitantes de Sidom (e muito possivelmente, também foi o defeito do próprio Caim que cunhou uma frase que seria transformada com as gerações no lema da indiferença social: “Eu sou o guardião do meu irmão? ").
A segunda categoria (o que é meu é seu e o que é seu é meu) é a dos homens ignorantes. Esta é a categoria de tolos que acreditam poder neutralizar esse instinto humano com frases bombásticas e ostensivas. Para quem pertence a esta segunda categoria, a propriedade privada não existe. Tudo pertence a todos (o meu é seu e o seu é meu) e possivelmente –afinal- nada pertence a ninguém. Uma criança de um ano e meio já sabe que esse raciocínio é impraticável.

Quanto à quarta categoria, não é necessário elaborar palavras. A pessoa que diz "o seu é meu e o meu é meu" bem merecido tem o lema do mal. Como uma pessoa com um coração de pedra, você sempre pode mostrar desdém pelas coisas boas.

Segundo Pikei Avot, a pessoa piedosa é aquela que pertence à terceira categoria (o meu é seu e o seu é seu).

Nossos Sábios de abençoada memória não querem nos ensinar com isto que o homem deva dar todos os seus bens aos outros. O que aprendemos é que o que leva a uma vida de entrega se elevará acima desse instinto.

É claro que uma criança de um ano e meio sabe delimitar seu território e entender o que é sua propriedade privada. Mas pelo menos esse mesmo homem não sabe sonhar quando decide dar o seu aos outros.

Nossos Sábios de abençoada memória nos ensinam que mesmo quando o instinto nos empurra em outra direção, sempre vale a pena manter essa virtude da entrega.

Quem consegue será fonte de luz e a espalhará pelo mundo.