Torá em Português

Parashat Shemot

Questão de Honra

Tradução de español: David Abreu

Há alguns anos, ingressamos em um novo Sefer Torá na sinagoga da qual eu era rabino em Buenos Aires. Foi uma celebração única; inesquecível e comovente. No entanto, tal celebração transcendente foi prejudicada por um procedimento bastante complicado no aeroporto de Ezeiza.

O Sefer Torá chegou embalado dos Estados Unidos. Os funcionários da alfândega ficaram surpresos com o pergaminho exótico que acabara de desembarcar no país. Eles fizeram fila para olhar.

No entanto, havia um imposto a ser pago. Os funcionários olharam para o Sefer como recém pousado de outro planeta. Eles analisaram...

"Isto é uma antiguidade!", Disse-me um funcionário da alfândega.

“Como você vai dizer que é uma antiguidade?” Eu disse, “Duas semanas atrás terminamos de escreve-lo nos Estados Unidos!”.

"Mesmo assim!", Disse-nos o homem. ‘É uma antiguidade; e antiguidades pagam imposto de 2%. É como importar um relógio de pêndulo suíço', ele nos disse enquanto olhava para uma lista interminável de taxas alfandegárias afixada na parede.

Dois por cento era muito dinheiro. Porém, não era mais uma questão econômica ... era uma questão de honra. Poucas coisas podem ferir mais meu orgulho judeu do que rotular uma Torá como uma antiguidade.

Como explicar àquele funcionário que os ecos do Sinai ressoam até hoje? Como dizer a ele - como nos diz a Parasha desta semana - que o arbusto queimou, mas não foi consumido?

VeHine HaSne Boer BaEsh, VeHaSne Einenu Ukal (Shemot 3, 2). A revelação é constante e permanente; não está lá no passado. Todos os dias voltamos para ficar ao pé do Sinai.

Alguns meses depois daquele episódio na Alfândega, eu estava visitando a cidade de Nova York e me sentei para jantar em um restaurante chinês kasher. Era quinta-feira à noite e, vendo que o Shabat se aproximava, fui ao mashguiach (supervisor) local e perguntei a ele sobre uma sinagoga próxima.

O jovem - um menino israelense ortodoxo - me surpreendeu imediatamente com seu "cardápio": "Você está procurando uma sinagoga ortodoxa, conservadora ou reformista?", Perguntou.

“Sou todo ouvidos ... “, eu disse, esperando ouvir sua resposta.

"Olha ..." ele explicou. ‘A cinco quarteirões de distância existe uma bela sinagoga; vale a pena ir ... Na volta do seu hotel você tem outra, é mais perto ... Já fui lá uma vez ”, contou-me. Não vá. Não parece uma sinagoga, parece um museu. '

Suas palavras me impressionaram ... "Parece um museu", ele me disse.

Pensar na Torá como uma antiguidade e na sinagoga como um museu equivale a assinar nossa certidão de óbito como povo.

Não estudamos Torá porque nossos pais o fizeram. Não vamos à sinagoga porque nossos avós vieram. É por nós que o fazemos.

Isso, de fato, é sugerido no início de cada Amidá. Lá, quando abrimos nossa oração, dizemos "E-lohenu Ve-E-lohei Avotenu" (nosso Deus - antes de todos nós - e Deus de nossos pais).

Quando a Torá fala daquele arbusto que queimava e não consumia, não está fazendo referência exclusiva a um processo químico extraordinário. Ele está nos ensinando que a revelação divina continua com a passagem das gerações, assim como a voz do Shofar do Sinai estava se intensificando muito (Shemot 19, 19).



Rabino Levi Yitzchak de Berditchev disse: Existem aqueles que ouvem o som do shofar em Rosh Ha-Shanna (ano novo judaico) todos os dias do ano e existem aqueles que ouvem o som do shofar Matan Torá durante todos os dias de suas vidas.

Nem a Torá é uma antiguidade, nem a sinagoga é um museu.